Pizzi vai ser aumentado

O camisola 21 assinou pelas águias há duas épocas, altura em que era uma promessa adiada do futebol nacional. Despontou na Luz, passou a ser titular indiscutível e vai ter um salário a condizer

Demorou a pegar, mas, quando Jorge Jesus lhe entregou a batuta do meio-campo, Pizzi nunca mais a largou e justificou-a com exibições que causaram surpresa na Luz, num estatuto que não estava refletido na ligação contratual entre o médio e o emblema da águia. Por isso, e segundo O JOGO apurou, já está em marcha o processo de renovação de contrato, com especial incidência na melhoria salarial.

Com contrato válido até junho de 2019, assinado no verão de 2013, Pizzi vai ter como prémio o aumento do salário, numa discussão encetada entre o presidente dos encarnados, Luís Filipe Vieira, e o empresário do jogador de 25 anos, Jorge Mendes. Dos atuais cerca de 400 mil euros anuais que o camisola 21 aufere, a fasquia deverá ascender a perto do dobro, fruto de uma negociação que as três partes envolvidas acreditam será concluída antes do início da próxima temporada.

Em paralelo, e como tem sido habitual em processos similares, a SAD pretende acrescentar pelo menos mais uma temporada ao atual vínculo. Além desta componente, também está em cima da mesa a subida da fasquia no que respeita à cláusula de rescisão, atualmente fixada em 35 milhões de euros.

Com este processo, Pizzi verá refletido em termos salariais o rendimento e importância que ganhou no âmbito das opções principais de Jorge Jesus, principalmente após a transferência de Enzo Pérez para o Valência, em janeiro, num negócio que rendeu aos cofres da Luz 25 milhões de euros. Com Fejsa e Rúben Amorim lesionados, Talisca a entrar em curva descendente devido a quebra física e Samaris a assumir a posição de trinco, a escolha do técnico para a posição 8 recaiu no extremo português. E Pizzi, a partir do final de janeiro, não mais largou o onze, realizando boas exibições, polvilhadas com dois golos e sete assistências.