Paulo Gonçalves colocou lugar à disposição e Moniz explica recusa

Paulo Gonçalves colocou lugar à disposição e Moniz explica recusa

Arguido no caso e-toupeira, Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica, colocou o lugar à disposição.

Constituído arguido no caso e-toupeira, Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica, colocou o lugar à disposição. A revelação foi feita por José Eduardo Moniz, administrador da SAD e vice-presidente do clube da Luz.

"Colocou de imediato o lugar à disposição e, ponderando prós e contras, sem julgamento antecipado, convictos de que tem pleno direito e capacidade de esclarecer tudo aquilo que lhe é imputado, decidimos que deveria manter-se em funções, executando tarefas que lhe têm sido confiadas ao longo dos anos. A primeira atitude que tomou foi essa, porque segundo o próprio não podia colocar o Benfica perante uma situação que o fragilizasse. Acho que foi um ato nobre de alguém que tem noção que o Benfica está acima de qualquer um de nós", afirmou José Eduardo Moniz à BTV.

"Os nossos concorrentes, não sendo capazes de lutar taco a taco connosco, utilizam métodos altamente condenáveis. Não vou dizer que somos uma casa de santos com asinhas nas costas, mas somos gente séria e honesta, com currículo. Não admitiria que alguém pudesse desenvolver ações à margem dos princípios que nós subscrevemos. E-toupeira? Isto é uma calúnia, nem eu nem colegas de direçao, nem na administração da SAD, tivemos aceso a qualquer processo. Não houve nem haverá qualquer procedimento que se possa considerar menos correto", garantiu.