"Não sou candeeiro de rua", atira Rui Vitória

"Não sou candeeiro de rua", atira Rui Vitória

Treinador deu, à TVI, a primeira entrevista depois de sair do Benfica

Rui Vitória já não é treinador do Benfica, mas conhece bem o seu sucessor, ainda que, para já, interino. Sobre uma possível continuidade de Bruno Lage, o antigo técnico encarnado diz que faria todo o sentido. "Nesta altura penso que sim. Mais do que ser Bruno ou não, penso que os erros que foram cometidos comigo não devem voltar a ser cometidos, em termos de proteção enorme ao treinador e à equipa", lembra para acrescentar depois que o clube terá andado preocupado com outros aspetos. "Talvez tenha andado de certa forma desfocado. Houve uma série de circunstâncias em redor do clube que tenha levado a esse desfocar e que senti mais nesta segunda fase."

O treinador lembrou ainda que nunca sentiu necessidade de ser menos brando. "Não sou candeeiro de rua. Falo com as pessoas e digo o que tenho a dizer, imponho as minhas ideias internamente. Talvez possam ter levantado essa questão. Sei muito bem o que tenho a fazer e o que quero para a minha vida. Quando vim para o Benfica foi para ser parte fundamental desse projeto. Vim colaborar no projeto. Talvez fosse necessário uma ou outra forma de atuar. Expliquei em privado, mas em publico tive cuidado para que não fosse apanhado com algo que se pudesse virar contra os meus jogadores e a minha equipa."

Com o Benfica em segundo lugar, Rui Vitória defende que a equipa pode ser campeão e terminou com algumas ideias para melhorar o futebol português. "Os dirigentes têm de decidir o que querem para futuro. Alguma dose de ódio tem de parar. Ou se mete a mão na consciência e um travão ou vai ser um andamento difícil de parar, com penalização para todos. E as questões dos calendários, da formação, da competitividade interna, dos mais pequenos serem mais fortes. Ou se pensa ou pagamos a moeda."