Júlio César: "Falta um ano para o Mundial..."

Júlio César: "Falta um ano para o Mundial..."

Sem Ederson, o camisola 12 vê-se de novo no onze das águias e sonha até em voltar a ser chamado para o Brasil

Após quase temporada a meia tapado por Ederson, Júlio César já se vê de novo como dono da baliza do Benfica. E dizendo-se feliz na Luz não se vê a deixar o campeão nacional, isto apesar do interesse do Flamengo e de ter até, como O JOGO já revelou, em mãos uma proposta vantajosa da Turquia - e numa altura em que o Benfica está também no mercado por um guarda-redes.

"Não penso em voltar para o Brasil. Penso em ir lá mas para visitar os amigos e a família. Já decidi definitivamente com a Susana [mulher de Júlio] e com os meus filhos que a nossa casa é aqui em Lisboa", garantiu, em entrevista no programa "Esporte Espectacular", do canal televisivo brasileiro Globoesporte, reforçando: "Estou num grandíssimo clube. Voltei a sorrir."

"Cheguei até a dizer que me sinto o jogador mais feliz do mundo. Foi logo depois de ganhar títulos importantes aqui em Portugal. A cidade é maravilhosa. O povo português é carismático, caloroso, recebeu-me superbem, têm uma culinária maravilhosa. É o melhor país para se viver, a melhor cidade para se viver", afirmou, ele que promete ter muito ainda para dar. "Apesar dos 37 anos, a virarem para 38, julgo que ainda tenho muita lenha para queimar no futebol", sublinhou, considerando que só Ederson não lhe permitiu fazer mais. "Sinto-me bem nos treinos. Estou a ter poucas oportunidades porque o Ederson está a fazer um lindo trabalho. Mas meti na minha cabeça que assim que o treinador precisar, tenho que estar preparado", disse, em declarações proferidas pouco antes da oficialização da transferência de Ederson para o Manchester City, algo que já adivinhava e que lhe dá argumentos para sonhar com o regresso ao escrete. "Quem sabe, sendo o Ederson vendido para outro clube, volto a ter a oportunidade de jogar com mais frequência aqui no Benfica e faço uma boa temporada? Falta um ano para o Mundial. Nunca se sabe...", atirou, recusando, precisamente face à ambição de voltar a envergar a camisola canarinha, em falar sequer de um jogo de encerramento. "Jogo de despedida? Eu ainda sonho com a seleção brasileira e perguntam-me por um jogo de despedida? Não sei, estou por aí. Há jovens a aparecer, e que estão a fazer um bom trabalho, mas não desisto da seleção", soltou, entre risos.