Gotze é um alvo sem consenso: Schmidt quer o médio, mas SAD do Benfica está dividida

Gotze é um alvo sem consenso: Schmidt quer o médio, mas SAD do Benfica está dividida

Roger Schmidt quer o médio alemão do PSV, mas idade e decisão de apostar na formação do Seixal dividem a SAD. Internacional germânico, que faz 30 anos em junho, está recetivo a mudar-se para o plantel encarnado, onde o sucessor de Nélson Veríssimo não encontra um jogador com as suas características.

A chegada de Roger Schmidt ao Benfica implicará uma mudança no esquema tático, que passará do atual híbrido 4x4x2 para um mais definido 4x3x3 ou similar 4x2x3x1. É nesta troca estratégica que se enquadra o interesse na contratação de Mario Gotze, médio alemão do PSV Eindhoven, ainda orientado pelo treinador que irá suceder no cargo a Nélson Veríssimo.

Porém, e segundo O JOGO apurou, não existe consenso a nível interno na SAD em torno deste nome e por várias razões.

O próximo técnico das águias, na análise que já efetuou ao plantel, identificou a necessidade de ter um médio-ofensivo, um camisola 10, que jogue nas costas do ponta de lança e tenha qualidade tanto a assistir como a finalizar. Identificada esta necessidade, Roger Schmidt apontou de imediato a Rui Costa uma preferência, alguém que conhece bem porque o tem treinado todos os dias nas últimas duas épocas.

Mario Gotze é visto pelos responsáveis benfiquistas como um jogador de qualidade e o rendimento no futebol neerlandês sustenta-o. Em 2020/21, quando acompanhou Schmidt para a aventura no PSV, assinou seis golos e sete assistências em 25 jogos, mas esta temporada "explodiu". Em 49 jogos, o seu novo máximo na carreira, marcou 12 golos e ofereceu 11.

Antes, passou duas vezes pelo Borussia Dortmund e uma pelo Bayern e brilhou pela Alemanha ao marcar o golo que deu a vitória sobre a Argentina na final do Mundial"2014, no Brasil.

Porém, há pontos negativos. Gotze padece de uma rara doença metabólica, um distúrbio muscular que provoca fadiga e ganho de peso, como informou o Dortmund meses antes de o jogador ser libertado a custo zero para assinar pelo PSV. Em Eindhoven não sentiu problemas, mas as dúvidas na Luz mantêm-se.

Da mesma forma que provoca interrogações a possível aposta num jogador de quase 30 anos, quando o caminho anunciado por Rui Costa - ainda ontem o presidente das águias o sublinhou - passa pela aposta na formação e em alguma contenção, sobretudo salarial, que não acontecerá com um jogador que supera os dois milhões de euros líquidos de salário anual.

No deve e haver estará a decisão de Rui Costa e da estrutura que o acompanha, e também o preço que o PSV irá definir terá peso na escolha final. O JOGO apurou que o médio sabe do interesse de Schmidt em vê-lo de águia ao peito e está recetivo ao apelo benfiquista, ele que defrontou o Benfica esta época no play-off de acesso à Champions, tendo ficado em branco nos 180 minutos dos dois jogos frente a... Weigl, seu ex-companheiro no Dortmund.

Ontem mesmo, Gotze comparou Roger Schmidt a Pep Guardiola, técnico agora do Manchester City que o orientou no Bayern. "Ele ajudou-me muito. Achei interessante ver como ele adaptou o conceito da Red Bull à sua filosofia e como ele organiza os treinos e como quer jogar. Pressão alta, defender o mais à frente possível, jogar o mais alto possível no meio-campo adversário... O Roger [Schmidt] é ainda mais radical nisso do que o Pep Guardiola", disse o médio ao podcast "Kicker meets DAZN", sem falar muito do seu próprio futuro: "Não há planos a médio ou longo prazo, o futebol é muito difícil e dinâmico para isso, mas a minha ideia é jogar na Europa o máximo que puder e divertir-me, e depois, talvez, ir para os Estados Unidos. Seria ótimo."