Excesso de centrais no plantel do Benfica abre a porta a Morato

Excesso de centrais no plantel do Benfica abre a porta a Morato

João Víctor obriga a uma reavaliação do elenco do eixo defensivo. Schmidt tem seis jogadores para a posição e só utiliza dois no onze.

A chegada de João Víctor ao Benfica irá provocar alterações no eixo da defesa, algumas no imediato outras mais tarde. Ao que tudo indica, a presença do central brasileiro no plantel irá empurrar Morato para fora da Luz, pelo menos temporariamente.

Aposta forte de Luís Filipe Vieira, o jogador nunca assumiu protagonismo na primeira equipa, mas os responsáveis encarnados, agora com Rui Costa na liderança, não perderam a esperança no jogador de 21 anos, que custou 7,5 milhões de euros ao Benfica em 2019. Morato participou em 25 jogos pela equipa principal na temporada passada, mas nunca foi encarado como primeira opção para Jorge Jesus nem para Nélson Veríssimo. Confirmando-se a cedência e jogando regularmente, Morato terá oportunidade de ganhar outra rotina competitiva para voltar mais forte à Luz. O jogador tem mercado e uma saída em definitivo está, ao que apurámos, também sobre a mesa da SAD.

Neste momento, as águias têm seis jogadores para a posição de central embora um, Lucas Veríssimo, esteja a recuperar de uma lesão muito grave, de longa duração. O quadro de incerteza em relação ao momento do regresso em pleno do internacional brasileiro também pesou na decisão de cruzar o Atlântico para, em sprint, ultrapassar o FC Porto e convencer o Timão a libertar João Víctor.

Tendo como esquema tático privilegiado o 4x3x3 ou o 4x2x3x1, Roger Schmidt dispensará elementos para o eixo uma vez que o seu modelo de jogo só contempla dois. Desta forma, Otamendi, Vertonghen, João Víctor e Lucas Veríssimo, todos potenciais titulares, chegarão para as encomendas. Tomás Araújo será, tudo indica, o quinto elemento, o quarto até à recuperação de Veríssimo.