Enzo Fernández abdica da Libertadores e abre a porta ao Benfica

Enzo Fernández abdica da Libertadores e abre a porta ao Benfica

O médio do River Plate já mostrou flexibilidade quanto a rumar à Luz nesta janela de mercado.

Rui Pedro Braz prepara uma nova incursão junto do River Plate para tentar, de vez, selar um acordo para a transferência do médio Enzo Fernández. Aproveitando o facto de já estar na América do Sul, onde concluiu os processos da saída de Everton para o Flamengo e a oficialização de David Neres para a Luz, o diretor-desportivo das águias prepara-se para rumar agora para a Argentina onde encontrará um Enzo Fernández, ao que O JOGO apurou, mais flexível quanto à possibilidade de rumar ao Benfica nesta janela de mercado e não apenas no final do ano.

Enzo Fernández começou por deixar claro, numa primeira abordagem, que desejaria permanecer até dezembro no River Plate para ajudar a equipa a lutar pela Taça Libertadores e só então embarcar para uma aventura no futebol europeu, nomeadamente com a camisola do Benfica vestida. Formado nas escolas do clube de Buenos Aires, Enzo gostaria de dar o seu contributo à equipa na conquista da prova mais importante do continente e cumprir aí um dos sonhos da carreira antes de, então, correr atrás de outro, o de jogar na Europa. Mas, agora, ao que O JOGO apurou, a perspetiva do médio mudou e vê aqui uma oportunidade quase irrecusável de ir para um clube que pode disputar a Champions. Aliás, Enzo Fernández já fez saber que está disponível a vir já, desde que os millonarios e o Benfica consigam um entendimento financeiro.

Perante isto, Rui Pedro Braz terá agora de batalhar junto do River Plate, que já deixou evidente não pretender abdicar de receber 20 milhões de euros por Enzo, valor que corresponde à cláusula de rescisão inscrita no contrato do médio. Enzo Fernández é um dos jogadores mais importantes do clube e tem sido um pilar nas escolhas do técnico Marcelo Gallardo, que também tem feito alguma força junto do elenco diretivo para este adiar a saída do jogador de 21 anos. Neste contexto, é de esperar que um entendimento entre os dois emblemas não seja fácil, a não ser que as águias se decidam mesmo a colocar na mesa 20 M€.