CNID repudia resposta de Jorge Jesus a jornalista: "Inadequada e indigna"

CNID repudia resposta de Jorge Jesus a jornalista: "Inadequada e indigna"
Redação

Tópicos

CNID reage à resposta de Jorge Jesus a uma jornalista da Sport TV no final do Marítimo-Benfica, disputado na segunda-feira

No final do Marítimo-Benfica, da oitava jornada da I Liga, a repórter da Sport TV destacada para a entrevista rápida questionou Jorge Jesus sobre a qualidade de jogo do Benfica. Perante a pergunta, Jesus respondeu: "Não tenho a mesma opinião que você. Também é natural, porque você não sabe o que é muita qualidade sobre futebol, mas pronto", disse.

Ora, perante o sucedido - que logo na segunda-feira gerou uma onda de críticas e observações variadas - o CNID considera, num comunicado revelado esta terça-feira, que se tratou de uma resposta "absolutamente inadequada e indigna de um dos treinadores portugueses com mais títulos".

Associação dos Jornalistas de Desporto, que assim repudia a postura do treinador do Benfica, recorda ainda que "o facto de se tratar de uma Jornalista deve ser encarado com a normalidade do séc. XXI, tanto que amanhã mesmo, pela primeira vez, uma senhora vai arbitrar um jogo da Liga dos Campeões depois de já ter arbitrado a Supertaça Europeia masculina"

Comunicado do CNID - Associação dos Jornalistas de Desporto

"A resposta do treinador Jorge Jesus ontem, no final do jogo na Madeira, a uma pergunta da Jornalista da SportTv na habitual entrevista rápida, é absolutamente inadequada e indigna de um dos treinadores portugueses com mais títulos.
O CNID repudia da forma mais veemente o comportamento de Jorge Jesus. O respeito que Jorge Jesus pediu ao adversário do campo não o teve ele por alguém que fazia o seu trabalho de forma irrepreensivelmente profissional.
O facto de se tratar de uma Jornalista deve ser encarado com a normalidade do séc. XXI, tanto que amanhã mesmo, pela primeira vez, uma senhora vai arbitrar um jogo da Liga dos Campeões depois de já ter arbitrado a Supertaça Europeia masculina. Felizmente há muito que o futebol e o Jornalismo não são coutadas de nenhum género, tendo todos que ter as portas abertas em qualquer desporto. E a influência feminina deve ser particularmente bem acolhida pelo mundo do futebol."