Benfica recolhe alimentos: "Uma lata por Moçambique"

Benfica recolhe alimentos: "Uma lata por Moçambique"

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A Fundação Benfica deu início esta quinta-feira, numa iniciativa que se estende até 31 de março, a uma campanha que visa ajudar as vítimas do ciclone Idai

O Benfica deu arranque esta quinta-feira a uma campanha de solidariedade por Moçambique, denominada "Uma lata por Moçambique", que visa a recolha de alimentos enlatados para ajudar as vítimas da passagem do ciclone Idai, e que encerra no próximo dia 31 de março. Segundo revelou a O JOGO Carlos Moia, presidente da Fundação Benfica, os encarnados estão "a trabalhar em parceria com as Forças Armadas" no sentido de agilizar e acertar o transporte de todos os mantimentos assegurados, numa campanha que vai ter vários contentores espalhados pelo país: um no Porto, um em Coimbra, um em Faro - que já estão disponíveis - e dois no Estádio da Luz, que estarão a funcionar apenas a partir do dia 27, devido aos compromissos da Seleção com a Ucrânia e Sérvia.

"Este é um projeto que vai além do futebol e do Benfica. É uma iniciativa transversal que está aberta a todos, desde os portugueses individualmente a associações desportivas e culturais e até a outros clubes. Todos os que quiserem contribuir com a sua ajuda terão espaço nos nossos contentores", revela Carlos Moia, manifestando a sua "solidariedade com o povo moçambicano".

O plano da Fundação Benfica é recolher alimentos enlatados, face à sua maior durabilidade e controlo, desde conservas de peixe até leguminosas e a leite condensado. O objetivo passa por recolher 100 toneladas de alimentos, que será enviados no início de abril para a Beira, estando a chegada prevista para dia 25 de maio. O espaço no navio que partirá com destino a Moçambique está praticamente assegurado, estando este processo na sua fase final. A distribuição, ainda que sob controlo da Fundação Benfica, será depois feita através das Nações Unidas.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué já provocou mais de 300 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos.