Caso e-toupeira: acessos a documentos também em Leiria e Coimbra, revela o JN

Caso e-toupeira: acessos a documentos também em Leiria e Coimbra, revela o JN

Jornal de Notícias torna públicos mais dados sobre o caso e-toupeira.

O Jornal de Notícias torna públicos mais dados sobre o caso e-toupeira na edição desta quarta-feira. De acordo com a publicação, as autoridades detetaram acessos a documentos em segredo de justiça nos tribunais de Leiria e Coimbra.

O JN vinca, portanto, que já são três as comarcas judiciais, contanto com a de Braga (tribunais de Fafe e Guimarães) "onde foram descobertas ramificações".

O caso e-toupeira tem sete arguidos e investiga a utilização abusiva de credenciais informáticas na plataforma Citius de uma magistrada do Ministério Público (MP), que se encontra colocada na coadjuvação da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), e, desta forma, recolher informação relacionada com processos, designadamente envolvendo o Benfica.

O inquérito, dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, tem por objeto factos suscetíveis de integrarem crimes de corrupção, peculato, violação do segredo de justiça, favorecimento pessoal, falsidade informática, acesso ilegítimo e burla informática, indica o mesmo comunicado.

Entre os arguidos cuja identidade é conhecida constam o assessor jurídico do Benfica, Paulo Gonçalves, três funcionários judiciais e o agente de futebolistas Óscar Cruz.

Após um primeiro interrogatório judicial, a juíza de Instrução Criminal decidiu aplicar a medida de coação de prisão preventiva ao técnico de informática do Instituto de Gestão Financeira e Equipamento da Justiça (IGFEJ) e a proibição de contacto com os restantes arguidos a Paulo Gonçalves.

Nesta investigação, o Ministério Público é coadjuvado pela Polícia Judiciária e tem a colaboração do IGFEJ.