Bruno Lage recorda chegada ao comando técnico: "Não foi pedido nada"

Bruno Lage recorda chegada ao comando técnico: "Não foi pedido nada"

Treinador do Benfica explicou como foi a recuperação de uma equipa que tinha sete pontos de atraso para o primeiro lugar, garantindo que o clube não lhe pediu o título

Luta pelo título entre Benfica e FC Porto

"A partir de agora não há espaço para nenhuma das duas equipas perderem pontos. Só se consegue isso se estivermos concentrados naquilo que é o nosso trabalho. Esta tem sido a nossa maneira de estar; com naturalidade e equilíbrio, preparando o jogo da melhor maneira e olhar para aquilo que é o jogo."

O que pediu o clube quando assumiu o comando técnico

"Não foi pedido nada. Face ao que estávamos a viver, era fazer o que fosse possível na altura. Teríamos de ir por fases e a primeira era começar a jogar bom futebol e vencer jogos para reconquistar os adeptos. A partir do quinto, sexto jogo começámos a fazer isso. Aos 20 minutos, a perder com o Rio Ave, os adeptos não desistiram da equipa. As pessoas iam ver que tipo de Benfica vinha aí. A determinada altura, começou a notar-se mais o apoio enorme em casa, fora, nas chegadas ao aeroporto, etc. Depois foi agir com naturalidade e as coisas começaram a acontecer. Fomos vivendo o dia a dia, jogo a jogo e, a dada altura, de final em final, até esta situação em que nos encontramos agora, em que dependemos apenas de nós."

O que espera do Santa Clara

"O Santa Clara é uma equipa com bom jogo e isso é trabalho do seu treinador. Independentemente dos resultados, é uma equipa consistente, que tem apresentado bons resultados. Além dos 40 pontos, fez boas exibições, por exemplo, com o Sporting e FC Porto e acredito num Santa Clara que vem apresentar o seu registo: equilibrado, a saber defender e, quando tem bola, a saber atacar e a criar perigo como fez no Dragão. Espero uma equipa competente, apenas isso."

Jogador a quem vai dar a oportunidade de poderem ser campeões

"Estamos a viver o dia a dia e as coisas têm de acontecer com naturalidade. Só em cima da situação é que podemos pensar nisso. Agora são os que penso que são os melhores neste momento, depois as alternativas face a determinadas situações no sentido de mexer no jogo. O resto não está nada preparado nem pensado."