António Oliveira: o futuro ponta-de-lança da Seleção e três chamadas do Brasileirão

António Oliveira: o futuro ponta-de-lança da Seleção e três chamadas do Brasileirão

Declarações de António Oliveira, ex-treinador do Benfica B, ao canal do clube da Luz.

Henrique Araújo: "Há um jogador claro sobre a sua inteligência, responsabilidade, caráter, com um nível de prontidão altíssimo, que é o Henrique Araújo. Vai ser o futuro ponta de lança da seleção portuguesa. Não é só com a formação que o Benfica vai voltar à dimensão que quer. O Benfica tem de encontrar um ponto de equilíbrio, já houve exemplos com dez jogadores da formação e isso não funcionou. Devemos aprender com isso. O Benfica deve apostar no Henrique como o primeiro ponta de lança e depois ter opções."

Tomás Araújo: "É um jogador talentoso, tem uma capacidade enorme de descobrir espaços, é muito forte na primeira fase de construção. Há situações que temos de continuar a trabalhar sob o ponto de vista defensivo para criarmos jogadores cada vez mais competentes e completos nas duas dimensões. Mas não é com dez jogadores da formação [na equipa] que o Benfica vai resolver os seus problemas."

Diego Moreira: "Ainda tem idade de júnior. Para a posição do Diego estávamos bastante preenchidos, tínhamos o Úmaro Embaló, o Tiago Gouveia, o Henrique Pereira, o Jair Tavares... O Diego vai ter o seu espaço, é melhor para ele jogar no escalão de sub-23 ou sub-19 do que ir para a equipa B e não competir."

Sandro Cruz e o caso de racismo em Vila do Conde: "É nessa altura que um treinador é um bocado pai e o grupo também foi de excelência, solidário, de valores e irmandade. Fomos os primeiros a solidarizar-nos com o Sandro, a repugnar esse tipo de comportamentos, mas fazendo-o perceber que não foi a última vez que aquilo sucedeu na sua carreira. Essa capacidade de se superar e continuar perante a adversidade também faz parte do crescimento destes jogadores para se tornarem melhores."

Futuro: "Há varias possibilidades em cima da mesa quanto ao futuro. As portas ficaram abertas no Brasil porque algo de bom foi feito. Durante o período em que estava no Benfica, chamaram-me três vezes para o Brasileirão. Mas há tanto possibilidades de ficar em Portugal como de sair. Já sabia que depois de seis meses no Benfica que seguiria a minha vida."