Ansaldi é o plano B do Benfica. E caro

Ansaldi é o plano B do Benfica. E caro
João Sanches/Federico del Rio

Tópicos

Empréstimo pago, com opção de compra, é a ideia, mas os russos preferem vender

O Benfica quer reaver Fábio Coentrão, por empréstimo, mas acautela a hipótese de o Real Madrid não vergar - nem mesmo perante a pressão do jogador para voltar à Luz (ver peça principal) -, arquitetando, em paralelo, um plano B para fortalecer a lateral esquerda: Cristian Ansaldi, do Zenit, é a alternativa em cima da mesa. A contratação deste argentino (agora com 28 anos), já ligado às águias noutros mercados, reveste-se igualmente de grande complexidade, por duas razões: o emblema russo está mais interessado em vender o passe do que em ceder os direitos desportivos por uma época; por outro lado, o polivalente defesa (pode atuar nos dois flancos), com contrato até 2017, tem um vencimento elevado, ao nível do de Coentrão: 2,5 milhões de euros líquidos/época.

Documentados sobre a situação salarial de Ansaldi, e percebendo que, em São Petersburgo, o lateral dificilmente terá hipótese de jogar com a regularidade que ambiciona, os responsáveis dos encarnados projetaram uma operação financeira com o objetivo de atrair o atleta, que, no entanto, seria sempre obrigado a reduzir os atuais honorários em cerca de 50 por cento para entrar no plantel de Rui Vitória.

A ideia das águias, seguindo por este caminho secundário, será receber Ansaldi por um ano, pagando uma taxa pelo empréstimo e definindo um valor para exercer a opção de compra em junho de 2016. Nesse contexto, o Benfica estará ainda na disposição de oferecer ao jogador mais três ou quatro anos de contrato. No entanto, uma das dificuldades que se colocam aos lisboetas é que a solução que mais agrada ao Zenit é a da venda imediata do internacional argentino, para se livrar de vez do encargo. Além disso, os encarnados, sabe O JOGO, não são os únicos à espreita: há clubes ingleses de olho no lateral.