Dezembro para esquecer: o quarto pior registo do Benfica no milénio

.

 foto Pedro Correia/Global Imagens

Encarnados viram-se eliminados da Taça de Portugal e estão em posição delicada no campeonato. Garantiram, porém, a qualificação na Liga dos Campeões e na Taça da Liga. Três derrotas e quatro vitórias ditam o quarto registo menos positivo deste milénio

Dezembro foi um mês de elevada exigência para o Benfica, fruto da qualidade elevada dos adversários e do facto de lutar pela sobrevivência em quatro provas, sendo que o balanço não pode ser considerado positivo. Isto apesar das águias terem somado quatro vitórias (57,1 por cento) e três derrotas (42,9%) nas sete partidas disputadas.

É assim o quarto pior registo do milénio no que diz respeito ao aproveitamento de triunfos, sendo apenas superado de forma negativa por 2001/02 (16,7 por cento), 2008/09 (20%) e 2017/18 (28,6%), temporadas, porém, com taxas de vitórias bem inferiores.

Aliás, nas duas piores épocas deste milénio o Benfica somou apenas um triunfo em dezembro. Se olharmos apenas aos desaires, então o balanço piora claramente, uma vez que apenas os 50 por cento de derrotas de 2001/02 (única época em que as águias perderam três jogos como agora) superam os 42,9% do mês que fechou 2021.

O Benfica terminou o último ano vencendo Dínamo Kiev, Famalicão, Covilhã e Marítimo, somando desaires frente a Sporting e FC Porto (a dobrar com os dragões). O mês começou precisamente com a derrota caseira ante o campeão nacional, levando o atraso na Liga para os quatro pontos. Entretanto passou para sete, fruto do percalço de quinta-feira no Dragão. O estádio azul e branco ditou ainda o afastamento da Taça de Portugal, face à derrota 0-3 do passado dia 23.

Afastados da prova-rainha e com vida difícil no campeonato, os encarnados sobreviveram, contudo, na Taça da Liga, com o 3-0 ao Covilhã, e na Champions, graças à vitória sobre o Dínamo Kiev, beneficiando da queda do Barcelona em Munique.