Atitude do Benfica marca pontos lá fora: Vlachodimos, Ramos e Rafa destacados

Velocidade de Rafa foi uma das armas destacadas pela Imprensa

 foto Gerardo Santos / Global Imagens

Imprensa europeia realçou personalidade exibida pelas águias e sublinhou que o PSG pode agradecer ao seu guardião

O Benfica continua sem inscrever no palmarés de resultados uma sequência de três vitórias a abrir uma edição da Liga dos Campeões neste século, mas agarrou-se a um empate frente a um colosso que é visto como um candidato a marcar presença na final da prova, sobretudo pelo tridente de luxo que ostenta no ataque.

Só que, na visita à Luz, os parisienses não fizeram sombra a um Benfica que, consultando a generalidade da Imprensa europeia, se valeu da atitude e personalidade para encostar o bólide francês às boxes.

"Sombra e luz" foi a manchete do jornal francês "L"Équipe", que viu "o PSG dar sinais inquietantes" e a "sofrer muito em Lisboa". "Os parisienses foram salvos pelos seus talentos, Messi a marcar e Donnarumma a evitar a derrota. O Estádio da Luz viu o Benfica abanar o PSG como ninguém tinha feito esta época", pode ler-se, antes de ser realçada "a grande pressão de Gonçalo Ramos sobre Sergio Ramos" e "a velocidade de Rafa", num sentido de crítica seguido pelo "Le Figaro": "Um arranque complicado após alguns erros técnicos, com Donnarumma forçado a milagres", escreve, numa análise replicada pelo "Le Parisien", enquanto o "Le Monde" destacou a "alta pressão e muito empenho" das águias, que "destaparam o trio defensivo do PSG."

Olhando a outros países, em Itália, o jornal "La Gazzetta dello Sport" sublinha que "ter Messi não chega ao PSG" e em Espanha o "AS" aponta que "nem a obra de arte de Messi foi suficiente para fazer ruir o Benfica, uma equipa que perdeu o medo aos grandes clubes europeus". Por seu lado, a "Marca" viu "Donnarumma e Vlachodimos brilharem". "A grande atmosfera que se respirava nas bancadas deu asas às águias ante o PSG", acrescentou o jornal espanhol.