"Se for o Belenenses a fazer é antijogo. Se for o Sporting ou o Benfica, é um banho tático"

"Se for o Belenenses a fazer é antijogo. Se for o Sporting ou o Benfica, é um banho tático"
Redação com Lusa

Tópicos

Técnico do Belenenses prevê jogo "difícil" perante Estoril de "qualidade".

O treinador do Belenenses, Franclim Carvalho, reconheceu que espera "um jogo difícil" no reduto do Estoril Praia, equipa de "qualidade individual e coletiva", para a 31.ª jornada da Liga Bwin, no domingo.

Agradado com os "melhores resultados" conseguidos "ultimamente", que se pautam por duas vitórias, três empates e uma derrota nos seis jogos anteriores, o técnico vincou que a sua equipa, 18.ª e última classificada da tabela, tem de "somar pontos" diante de um adversário sem qualquer vitória nas quatro rondas anteriores, mesmo tendo criado "oportunidades" para algo mais.

"Vi esses quatro jogos, e o Estoril Praia poderia ter ganhado dois ou três. Criou oportunidades para isso. (...) Esperamos um jogo difícil, pela qualidade individual e coletiva do Estoril. O mister Bruno [Pinheiro] tem uma equipa trabalhada, com e sem bola. Esperamos um jogo difícil, como todos, ainda para mais nesta fase", disse, na antevisão à partida marcada para as 18:00.

Franclim Carvalho sublinhou ainda que a equipa canarinha se distingue pela "profundidade" e pelo "jogo interior", com médios como André Franco, Francisco Geraldes e o trinco Gamboa, que "sai muito bem da pressão adversária".

Após a "vitória importante" na receção ao Vizela (1-0), os azuis voltam a jogar fora, condição na qual ainda não venceram para o campeonato, algo que o treinador pretende ver alterado.

"Como ainda não ganhámos fora, este é o momento indicado para ganhar pela primeira vez fora. Se tivéssemos ganhado uma vez, era o momento indicado para a segunda vitória. Já disse aos meus jogadores que temos de fazer pontos fora, em casa e pelo caminho", realçou.

Convencido de que "todas as equipas preferem controlar com bola", o timoneiro do Belenenses assumiu o desejo de o fazer perante os estorilistas, mas admitiu que os seus pupilos podem optar pela "transição", tendo alegado que as acusações de "antijogo" a quem opta por uma postura mais defensiva varia consoante os emblemas em campo.

"Na jornada passada, entre as equipas que ganharam, só o FC Porto e o Marítimo tiveram mais posse de bola do que o adversário. Mas se for o Belenenses a fazer isso é antijogo. Se for o Sporting ou o Benfica a fazerem isso, é um banho tático. Se for o Atlético de Madrid contra o Manchester City, é organização defensiva", comparou.

Com o Belenenses, a um ponto do 17.º classificado, Tondela, a dois do 16.º, Moreirense, em zona do play-off de manutenção, e a três do 15.º, Arouca, equipa acima da "linha de água" que perdeu na sexta-feira em Vizela (2-1), o técnico pediu ainda aos jogadores para não olharem para a tabela, para os adversários diretos e para os oponentes dos três jogos que se seguem ao Estoril Praia.

"Temos estado numa posição que causa algum desconforto. Por isso digo aos jogadores para não olharem para a tabela classificativa. A equipa tem conseguido melhores resultados e há um melhor ambiente na equipa, o que se reflete nos jogos", disse.

O Belenenses, 18.º e último classificado da I Liga portuguesa, com 24 pontos, defronta o Estoril Praia, 10.º, com 35, em partida agendada para as 18:00 de domingo, no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril, com arbitragem de Tiago Martins, da Associação de Futebol de Lisboa.