"Era melhor quando não se sabia quem eram os árbitros nomeados"

"Era melhor quando não se sabia quem eram os árbitros nomeados"

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Miguel Gouveia Pereira

Tópicos

Rui Pedro Soares, presidente do Belenenses SAD, lamentou os atos de vandalismo na casa de Jorge Sousa e espera que o clima tensão diminua na próxima temporada, antes que algo mais grave aconteça

O plantel do Belenenses, equipa técnica e estrutura da SAD estiveram esta sexta-feira no almoço em Lisboa, que serviu de despedida da época que agora está a terminar. O presidente da SAD belenense, Rui Pedro Soares, aproveitou para fazer um balanço e também para falar do estado atual do futebol português, nomeadamente dos recentes atos de vandalismo na casa do árbitro Jorge Sousa, nomeado apitar o Benfica - Santa Clara. "Lamento profundamente esse episódio. É melhor quando não se sabia quais os árbitros nomeados. Temos de os respeitar, não foram os árbitros que mudaram fosse o que fosse do primeiro ao último lugar. Há melhores arbitragens, piores, mas está melhor do que era há uns anos. O problema é que a tolerância em relação a um erro de árbitro é maior do que a um erro de um videoárbitro. De facto, temos pensar numa forma de acabar com as polémicas, quem contribuiu para isso deve pensar bem antes que aconteça algo que parece iminente, que é alguém morrer", alertou o dirigente.

A SAD do Belenenses já manifestou publicamente que pretende uma revisão na política de empréstimos de jogadores em Portugal e Rui Pedro Soares adiantou que esse assunto vai ser debatido em breve. "Na próxima quarta-feira, vai haver uma assembleia-geral da Liga onde isso vai ser discutido. Por exemplo, pode um clube receber um jogador cedido e no final da época este é vendido e depois a equipa que o recebeu e valorizou não recebe nada? Isto não pode acontecer", realçou.

Sem muito adiantar sobre o plantel da próxima época, com exceção da vinda de Dieguinho (ex-Cova da Piedade), o líder da SAD belenense fez um balanço positivo da temporada. "Acabámos com uma vitória, 43 pontos, mas houve um momento em que sonhei um pouco mais. A época foi excelente, marcada, infelizmente, por uma derrota muita pesada [8-1 com o Sporting] que vai ser lembrada durante muitos anos", analisou Rui Pedro Soares, elevando a fasquia para 2019/20: "Tínhamos definido uma meta dos 40 pontos até estabilizarmos. Não construímos castelos na areia e consistente achamos que é altura de subir a fasquia e irmos para os 50 pontos. Já não somos uma equipa de sobe e desce para se manter na Liga, somos estáveis e vamos passar o próximo degrau para atingirmos o nível de outras equipas, como o V. Guimarães e o Rio Ave. Vamos subir mais um degrau e não será o último."