"Manter a baliza a zeros pode deixar-nos mais perto do que queremos"

 foto Gonçalo Delgado / Global Imagens

José Mota comentou ainda o adiamento do jogo com a formação insular, inicialmente marcado para sábado.

O treinador do Aves, José Mota, afirmou esta sexta-feira que a sua equipa tem de ser forte, ter alma e eficácia, para derrotar o Marítimo, na quarta jornada da I Liga.

"[O Marítimo] É um adversário com caráter e ter conseguido vitórias nos últimos minutos mostra que é uma equipa que não desiste e está concentrada no seu trabalho. Compete-nos também ser fortes, determinados, ter essa alma e sermos eficazes", referiu José Mota.

O treinador do Aves dava conta, em conferência de imprensa, da vontade de somar a primeira vitória no campeonato, mas rejeitou o caráter decisivo do jogo de domingo, insistindo nos elogios ao Marítimo e nos cuidados a ter durante o jogo.

"Tradicionalmente, o Marítimo é um adversário difícil, com comportamentos muito bons ao longo dos anos a jogar fora. Se olharmos em jeito de retrospetiva para estas jornadas, se calhar, os adversários não têm sido muito superiores, mas têm sido muito mais eficazes. E, por isso, manter a baliza a zeros pode deixar-nos mais perto do que queremos", sublinhou.

José Mota comentou ainda o adiamento do jogo com a formação insular, inicialmente marcado para sábado, admitindo que a alteração não vai afetar a disposição da equipa.

"Segundo sei, o adiamento acontece por razões logísticas do nosso adversário e temos de compreender. Estas coisas podem acontecer nesta época, mas estamos preparados para jogar no dia que tiver que ser, dar uma boa resposta e, fundamentalmente, vencer", disse José Mota.

O Aves defronta no seu estádio o Marítimo, no domingo, a partir das 16h00.