Evangelista e a competitividade do plantel: "Toda a gente sem exceção..."

Evangelista e a competitividade do plantel: "Toda a gente sem exceção..."
Redação

Tópicos

Declarações do treinador do Arouca na antevisão ao jogo com o Paços de Ferreira.

Apesar de estar há quatro jogos sem vencer na I Liga, o Arouca quer dar seguimento à consistência exibicional e o treinador mostrou-se hoje agradado com a competitividade do plantel antes da visita a Paços de Ferreira.

"Tenho que escolher 20 jogadores e hoje não é fácil. Não é só por ter todos disponíveis, a competitividade e equilíbrio existentes são tremendos e não me têm facilitado a vida nesse contexto. Ainda bem, porque é isso que queremos. Toda a gente sem exceção tem estado com uma dedicação e profissionalismo de realçar", salientou Armando Evangelista.

Na conferência de imprensa de antevisão ao jogo de domingo, da oitava jornada, o técnico relativizou a série de quatro jogos sem vitórias - dois empates e duas derrotas -, visto que na caminhada do Arouca "somar pontos é sempre importante" e mostrou agrado com o nível exibicional face aos condicionalismos das duas últimas partidas.

"É óbvio que temos que anular alguns erros, foi nisso que nos focámos nesta paragem: o tal pormenor que faz a diferença para podermos traduzir em pontos o que fizemos enquanto exibição, entrega e união [nesses dois jogos]", apontou.

Do outro lado, está um Paços de Ferreira "que não é o que conhecemos", no penúltimo lugar da tabela, com um ponto em sete jogos, que manteve César Peixoto no banco e a quem esta paragem "veio a calhar", com Evangelista a reconhecer "valor à equipa e aos jogadores".

"Em organização defensiva, algumas vezes faz baixar o ala de um lado para fazer uma linha de cinco e um médio mais ofensivo entra no corredor e faz um 5x4x1. Em termos ofensivos, não se notam diferenças tão marcantes como na defesa, até porque não mudou assim tanto o plantel", analisou.

Nesse sentido, referiu jogadores que continuam cedidos aos castores, como Koffi e Rui Pires, mencionando também Nico Gaitán, "um jogador recuperado e que tem feito o que o César [Peixoto] pede".

Sobre a pausa na competição, o técnico disse ter aproveitado para "investir e dedicar mais unidades de treino" em aspetos que precisam de ser assimilados e também para recuperar ou aprimorar a condição física dos jogadores, como é o caso de Oday Dabbagh, que se juntou tardiamente ao plantel e ainda não jogou esta época. "Foram mais duas semanas que acabou por ganhar, o que se faz notar em termos físicos e o Oday está convocado porque apresenta esses índices que pretendemos. O Opoku e o Soro cumpriram castigo e são opções válidas para a convocatória. Temos toda a gente disponível", vincou.

O Arouca, 11.º classificado, com oito pontos, desloca-se a Paços de Ferreira para defrontar o 17.º e penúltimo, com um ponto, em partida da oitava jornada agendada para as 18h00 de domingo, sob arbitragem de Hélder Malheiro, da Associação de Futebol de Lisboa.