Guarda-redes da Seleção Nacional de futebol de praia desconhece paradeiro do filho

Elinton Andrade recorreu às redes sociais para denunciar a impossibilidade de ver o filho

 foto EPA

Elinton Andrade deveria ter-se reencontrado com o pequeno Bernardo, que foi de férias para o Brasil, há mais de um mês. Segurança é temida e queixas foram apresentadas.

Impedido de contactar, segundo o próprio, o filho menor, Elinton Andrade, guarda-redes da Seleção Nacional de futebol de praia e da Casa do Benfica de Loures, solicitou esta quarta-feira ajuda para conseguir descobrir o paradeiro do primogénito Bernardo.

"Amigos, venho aqui infelizmente compartilhar uma situação familiar muito delicada e conto com a ajuda de vocês para que eu possa localizar o meu filho Bernardo Andrade, de 12 anos, que está desaparecido desde dia 7 de setembro", principiou Elinton Andrade, em publicação feita na rede social Instagram.

A viver um drama, o recente tricampeão na Liga Europeia detalhou que Bernardo Andrade, cuja custódia lhe pertence, foi ao Brasil passar férias e que deveria ter regressado em 11 de agosto, por ordem judicial. Porém, três dias antes do limite para voltar a Portugal, Elinton não mais ouviu a voz do filho de 12 anos.

"Entretanto, a partir de 8 de agosto, a genitora proíbe-o de atender chamadas, bloqueou os meus familiares e não conseguimos [entrar em] contacto de forma alguma. Apenas mensagens curtas e não sabemos se é ele que escreve", contou o futebolista.

Sem saber do estado e localização de Bernardo Andrade, pelo que "temo a segurança dele", o guarda-redes da Seleção apresentou, entretanto, queixa às autoridades competentes em Portugal e no Brasil e aguarda pelo reencontro com o filho.