Presidente de São João da Pesqueira pede apoio ao Governo

Presidente de São João da Pesqueira pede apoio ao Governo
Lusa

São João da Pesqueira, Viseu 07 set (Lusa) -- O presidente da Câmara de São João da Pesqueira, no distrito de Viseu, pediu hoje ao ministro da Economia "mais apoio para o concelho", nomeadamente para a valorização dos produtos da região e para as acessibilidades ao município que são "terceiro-mundistas".

"Senhor ministro, há uma necessidade urgente de valorizar estes produtos, o vinho, os produtos secos, o azeite, a maçã, com elevadíssimos custos de produção e baixa produtividade, porque é região de montanha, e nestas circunstâncias ou o produto reflete esses custos ou a tendência para a desistência é um passo", alertou Manuel Cordeiro, na 16.ª edição do certame Vindouro.

Segundo o autarca, eleito por um grupo de cidadãos independentes, "é unânime a excelência dos produtos e os preços devem refletir essa realidade, como aliás acontece com outras regiões europeias", acrescentando que no Douro "há muita margem para crescimento, mas há condições que só o nível governamental o pode proporcionar", sobretudo no turismo e agricultura.

"Apoiando ainda mais estas iniciativas, os investimentos, as acessibilidades e podendo ser o rio Douro a porta de entrada desses fluxos, o investimento na linha [ferroviária] do Douro, com ligação a Espanha, seria estruturante e desbloqueador de todos este processo de desenvolvimento económico e social da região", considerou.

O autarca adiantou que São João da Pesqueira "tem conferido ao país, ao longo de décadas, reconhecimento mundial e para a economia um significativo peso nas exportações", mas lamentou: "Infelizmente, senhor ministro, do país pouco se tem recebido nos últimos anos".

Da lista de problemas, Manuel Cordeiro apontou a "ausência do centro de saúde e do Tribunal, que anteriores governos esbulharam" e, "como se isso não bastasse, o concelho não tem acessos minimamente aceitáveis".

"A EN222, junto ao rio Douro, é uma estrada literalmente terceiro-mundista o que, além de dificultar a comodidade e a própria vida diária das pessoas, muito prejudica a economia do meu concelho, no turismo ou no trânsito pesado que ali se verifica para o transporte de milhares e milhares de litros, todos os dias, de vinho", reclamou.

Em resposta, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, salientou o "esforço que o Turismo de Portugal tem estado a fazer na região" e o "esforço em trabalhar com as caves, com as quintas e de lançar novos projetos de enoturismo, nomeadamente apoiados pelo programa Valorizar".

"Temos estado a fazer um esforço na valorização dos produtos, temos estado a fazer um esforço na internacionalização e com resultados interessantes, e no ano passado tivemos um recorde de exportações de vinhos desta região, quer de vinhos do Porto quer de vinhos de mesa da região do Douro", destacou o governante.

Sobre as restantes questões suscitadas pelo autarca, o ministro não respondeu e à agência Lusa justificou que não pertencem ao seu ministério.