Pelo menos 12 jornalistas foram mortos nas Filipinas na atual Presidência

Pelo menos 12 jornalistas foram mortos nas Filipinas na atual Presidência
Lusa

Pelo menos 12 jornalistas foram mortos nas Filipinas durante a Presidência de Rodrigo Duterte e centenas foram submetidos a assédio e ameaças, de acordo com um relatório divulgado hoje por vários grupos que defendem a liberdade de imprensa.

"Estes casos mostram o perigo do exercício do jornalismo independente nas Filipinas, cuja imprensa é considerada uma das mais livres e pluralistas da Ásia", lamentaram hoje a Freedom for Media, o Sindicato Nacional de Jornalistas das Filipinas e o Centro Filipino de Jornalismo Investigativo.

Estas entidades relataram que os casos de assédio e intimidação contra jornalistas aumentaram durante o Governo do Presidente filipino, que começou a 30 de junho de 2016, e têm piorado nos últimos seis meses, especialmente na Internet.

No mesmo período, ocorreram três assassínios e uma tentativa de assassínio, concluem as organizações.

O relatório sublinhou que 44% dos atos foram cometidos por "agentes do Estado ou funcionários públicos" e que as formas de intimidação variam desde o 'cyberbullying', insultos, ameaças verbais, a prisão temporária e a remoção de artigos da internet.

"As perspetivas de liberdade de imprensa e apoio dos cidadãos aos jornalistas estão em perigo num período de crescente autoritarismo", lamentaram os grupos mencionados.

O sindicato de jornalistas nas Filipinas considerou que "os cidadãos têm sido enganados para apoiar o surgimento de líderes autocráticos que prometem soluções rápidas para os males incrustados", usando o pretexto de que "a democracia fracassou para minar as liberdades inalienáveis".

O relatório foi publicado hoje por ocasião do nono aniversário do massacre de Ampatuan, em que 58 civis foram mortos - entre os quais 32 jornalistas - por homens armados a mando de um poderoso clã num dia de eleição na província de maioria muçulmana de Maguindanao, na ilha sul de Mindanau.

Nove anos depois, ninguém ainda foi condenado pelo massacre, embora o secretário da Justiça, Menardo Guevarra, tenha dito hoje que o processo judicial terminará em breve e que espera uma sentença para o próximo ano.