Violência género e grupos artes marciais são preocupações em Timor-Leste -- estudo

Violência género e grupos artes marciais são preocupações em Timor-Leste -- estudo
Lusa

A violência de género e de grupos de artes marciais são os maiores focos de conflito em Timor-Leste, país que apesar de jovem é mais pacífico do que "países com muito mais experiência" democrática, segundo um relatório.

O relatório "O estado da violência na Ásia", da Asia Foundation, analisa tendências históricas e atuais em 14 nações da Ásia, entre as quais Timor-Leste, considerando que o padrão de crescimento económico e urbanização poderão levar a um aumento de conflito e violência na região.

"Intrigantemente, Timor-Leste e a Mongólia são duas democracias que são mais pacíficas do que países como muito mais experiência na governação democrática", lê-se num dos artigos de análise do estudo, assinado pelos académicos Sana Jaffrey e Dan Slater.

A violência doméstica ou de género, refere o relatório, mata mais mulheres do que conflitos armados e, por isso, "deveria ter mais atenção dos legisladores, governantes e da comunidade internacional".

Em Timor-Leste, nota o estudo, "14% de todas as mulheres entre os 15 e os 49 reportam ter sido violadas" e o país tem a segunda maior taxa de abuso infantil na região.

Em termos gerais, Díli continua a ser o local onde se registam mais incidentes violentos, com o estudo a citar dados da Belun que refere que entre 2014 e 2016 se registaram mais de mil incidentes violentos, cerca de um terço do total que ocorreram no país.

"Uma ampla gama de fatores torna Díli vulnerável ao crime e à violência urbana, incluindo a rápida migração rural para a cidade, o desemprego juvenil, o crescimento de gangues", refere o estudo.

Segundo o estudo, o "número de migrantes em Díli aumentou de 68.887 em 2004 para 94.349 em 2010" sendo a maioria jovens "que se mudaram para a capital à procura de melhores perspetivas de educação e emprego".

"Com a maioria da população com menos de 30 anos, o desemprego juvenil é um problema sério. O recenseamento de 2010 registou uma taxa de desemprego de 40,2% para jovens urbanos, em comparação com 22,8% para jovens rurais", nota o estudo.

O estudo refere que a terra e o acesso aos recursos são "os principais fatores do conflito comunal" com as disputas a causarem fricção e violência em Timor-Leste.

Prevalente em Timor-Leste é também a violência entre grupos de artes marciais (GAM), problema que o Estado timorense tem vindo a combater nos últimos anos e que acaba por afetar várias zonas da capital, Díli, e de outras cidades.

Em alguns casos, a presença dominante de jovens ligados a um GAM numa certa aldeia em Díli, por exemplo, acaba por ser usada como 'arma' em conflitos com outras aldeias vizinhas.

"O que às vezes parece ser um choque de gangues ou de GAM é muitas vezes uma disputa comunitária entre aldeias, uma vez que cada comunidade mobiliza os seus jovens para defender seu território. Este foi o padrão de incidentes violentos em Díli", refere o estudo.

Em alguns casos "os conflitos entre famílias nos distritos rurais espalham-se para Díli" onde residem familiares ou vizinhos da mesma zona, levando muitas vezes a crescentes ciclos de "violência em retaliação".

As autoridades timorenses identificam cinco grupos de artes marciais ativos - PSHT, Kera Sakti, Korka, Kolimau e 77 - como sendo os que estão envolvidos no maior número de incidentes na capital timorense.

Análises da própria Asia Foundation, de 2015, apontam as disputas de terras como uma das principais ameaças à segurança das comunidades locais, com a organização Belun a registar 130 casos de incidentes envolvendo o uso de terra no ano passado.