Portugueses querem pagar 500 euros pela casa mas mercado pede mais - estudo

Portugueses querem pagar 500 euros pela casa mas mercado pede mais - estudo
Lusa

Os portugueses estão disponíveis para pagar 500 euros por mês por uma casa, mas o mercado não está a responder a esta exigência, refere um estudo da Century21.

A consultora imobiliária levou a cabo um inquérito, no qual chegou à conclusão de que há um desajustamento entre oferta e procura. "Em termos nacionais, o valor médio pretendido para a compra de habitação é de 138.623 euros", segundo as conclusões do relatório, mas o "preço médio para venda é de 173.252,84 euros, um valor que supera em 34.629 euros o valor médio disponível por aqueles que querem comprar casa", adiantou a Century21.

Por mês, quem se financia para comprar casa está disponível para pagar, em média, até 500 euros.

No que diz respeito ao arrendamento, o valor médio que os portugueses estão dispostos a pagar é o mesmo, "e apenas 9,6% pondera pagar entre 500 e 600 euros", de acordo com os resultados do inquérito. O mercado está a oferecer, em média, rendas de 536,99 euros.

Mas não é só o valor que complica o acordo entre quem quer vender e quem quer comprar. O número de quartos e casas de banho também não está ajustado ao que quem procura casa pretende. "Cerca de 37,2% da oferta de habitação é de três quartos, o que revela um défice de 3,7 pontos percentuais face à procura, que atinge, neste critério, 40,9%", segundo concluiu a Century21.

"No entanto, o 'gap' mais expressivo encontra-se na oferta de habitações com mais de três quartos (26%), que suplanta a procura em quase 10 pontos percentuais, uma vez que apenas 16,7% dos consumidores pretende casas maiores".

No que diz respeito às casas de banho, "apenas 41% das habitações em oferta tem duas casas de banho, o que representa um défice de 8,5 pontos percentuais, em relação à procura, que atinge os 49,5%", realçou o relatório.

Mais de 70% dos inquiridos (71%) quer ainda uma casa com arrecadação.

Quanto à localização da habitação, a característica mais importante para os portugueses é a segurança da zona que escolheram para habitar, com 94,5% das pessoas a dar muita importância a esse fator. 82,6% valorizam a existência de estacionamento para residentes, ou a facilidade em encontrar lugar. 80,1% considera que é importante viver perto de lojas e supermercados. 77,8% quer estar perto de parques e espaços verdes.

O estudo também analisou quem constitui o mercado, sendo que a oferta é caracterizada por uma maior presença comparativa de homens (52,2%), com destaque para indivíduos com mais de 50 anos, e a procura liderada por mulheres (59,9%), com tendência para uma idade entre os 18 e os 39.

Apesar dos entraves, 89,7% dos portugueses preferem ter casa própria. No geral, segundo a Century21, "a habitação mais procurada é um apartamento num prédio (61,2%), em segunda mão e sem necessitar de remodelações (60,2%), com três quartos (40,9%) e duas casas de banho (49,5%), com arrecadação (74,1%) e garagem (73,1%), com uma área entre 91 e 120 m2, (24,1%) localizada em zonas periféricas do centro (43%) ou mesmo nas áreas centrais da cidade (42,2%), desde que tenha disponibilidade de estacionamento (82,6%), boas acessibilidades e transportes públicos (80,5%), e proximidade a supermercados e comércio tradicional (80,1%), numa zona segura (94,5%)".

O inquérito, levado a cabo pela Century21, incidiu sobre 810 portugueses, com mais de 18 anos e que tenham passado pelo processo de procura de casa nos últimos 12 meses ou que pensem fazê-lo no próximo ano, bem como cidadãos que colocaram uma habitação no mercado, no mesmo período temporal. Os inquéritos foram realizados online e por entrevista telefónica, assistida por computador. A distribuição geográfica foi dividida em 4 zonas: Lisboa, Porto, Algarve e o resto do país. Para a análise dos dados ajustou-se o peso de cada zona com base em informações do INE sobre a habitação. As entrevistas foram conduzidas de 20 de março a 05 de abril de 2018.