OPA/EDP: Fundo americano Elliot avisa que oferta chinesa enfraquece a elétrica

OPA/EDP: Fundo americano Elliot avisa que oferta chinesa enfraquece a elétrica
Lusa

O fundo de investimento norte-americano Elliot, que detém 2,9% do capital da EDP, considera que o preço da Oferta Pública de Aquisição (OPA) da China Three Gorges (CTG) sobre a elétrica é "excessivamente baixo" e "subavalia significativamente" a empresa.

"A oferta da CTG, tal como se encontra atualmente, não favorece os melhores interesses dos 'stakeholders' [acionistas] da EDP e, em última análise, conduzirá a um enfraquecimento da EDP que será uma empresa mais volátil, com um conjunto de ativos menos atrativo e com poucas oportunidades de crescimento", lê-se numa carta enviada pela Elliot Advisors ao Conselho de Administração Executivo e ao Conselho Geral de Supervisão da EDP, hoje divulgada.

Para o fundo norte-americano, a oferta anunciada pela CTG é mesmo "a maior fonte de incerteza que a empresa enfrenta atualmente" e a estagnação do negócio teve "como efeito prático impedir o crescimento da EDP, o que originou má performance do valor das ações da EDP relativamente às outras empresas do setor".

"O preço da oferta atual da CTG [que é o maior acionista da EDP, com uma participação de 23%] é excessivamente baixo e subavalia significativamente" a empresa, sustenta, apontando como "o problema mais evidente da oferta o prémio inaceitável de 4,8%".

Afirmando a sua concordância com o Conselho de Administração Executivo da EDP, que assumiu que "o preço oferecido não reflete adequadamente o valor da EDP e o prémio implícito na oferta é baixo considerando a prática seguida no mercado europeu das 'utilities'", a Elliot afirma que, "caso não exista um aumento da contrapartida, não se antevê qualquer possibilidade de os acionistas virem a apoiar uma oferta que não valoriza adequadamente o seu investimento".

Segundo destaca, "além de uma avaliação justa e razoável da EDP, para que a oferta seja bem-sucedida também é necessário eliminar vários obstáculos regulatórios", sendo que atualmente "continuam por verificar 16 das 17 principais condições suspensivas referidas no anúncio preliminar da oferta, tendo sido apenas obtida uma aprovação jusconcorrencial no decurso de nove meses".

A este propósito, a Elliot aponta o caso dos ativos de energia renovável que a EDP detém nos EUA, descritos como "as joias da coroa" da empresa, mas cuja manutenção avisa que o Committee on Foreign Investment in the Unitede States (CFIUS) não aprovará caso a CTG venha a deter a maioria do capital social da elétrica.

"Na nossa opinião, se a oferta da CTG prosseguisse teriam de ser efetuados desinvestimentos relevantes como reação/resposta às imposições dos reguladores", designadamente nos EUA e na Península Ibérica, sendo que esses desinvestimentos "deixariam a EDP mais fraca".

Convicta de que a EDP "é uma empresa atrativa, com um potencial de desenvolvimento substancial", a Elliot adverte que "a continuação da existência de uma oferta que se considera impossível concluir com êxito, na sua forma atual, está a dificultar o crescimento" da elétrica, pelo que esta "deve ultrapassar rapidamente a oferta e a definição de um novo rumo é urgente".

"Embora o 'portfólio' da EDP inclua áreas de grande potencial, quando a consideramos como uma única empresa, falta-lhe foco", diz, considerando "difícil para os investidores avaliar o portfólio de forma justa, uma vez que os negócios da EDP com múltiplos elevados são diluídos por divisões com múltiplos baixos, resultando num desconto do conglomerado".

Para o fundo de investimento, "a EDP encontra-se também excessivamente alavancada", com uma "consideravelmente reduzida" capacidade "para encontrar oportunidades de crescimento", o que a tem privado "da possibilidade de acelerar o investimento em oportunidades de alto retorno que se encontram disponíveis nos principais mercados" onde opera.

A posição da Elliot é que "uma EDP fortalecida deve dar prioridade a dois pilares fundamentais para o crescimento sustentável: uma otimização do 'portfolio' focada nas principais áreas de negócio e uma redução da excessiva alavancagem; e um investimento no crescimento através de oportunidades no setor das energias renováveis com taxas atrativas de retorno".

Para o fundo, "esta nova EDP seria mais focada, mais empenhada no crescimento e menos alavancada", com "um 'portfolio' de ativos líder de mercado, métricas financeiras atrativas e uma história de crescimento clara e convincente" que "provavelmente impulsionariam uma revisão do 'rating' e proporcionariam uma vantagem significativa para todos os 'stakeholders'".

"Desinvestimentos indiferenciados, tais como aqueles que seriam provavelmente exigidos pela oferta da CTG, poderiam colocar em risco postos de trabalho. A manutenção de um 'status quo' de baixo desempenho pode ter o mesmo efeito. Uma abordagem que priorize o investimento e o crescimento oferece perspetivas mais encorajadoras aos trabalhadores da EDP", considera.

As "sugestões" avançadas pela Elliot passam pelo investimento da EDP em energias renováveis, a redução da dívida e diminuição do custo da dívida, o reinvestimento na EDP e a venda da participação na EDP Brasil, de 49% da participação na Distribuição Elétrica Ibérica e dos ativos térmicos ibéricos antigos.

"A EDP pode optar por três caminhos distintos quanto ao seu futuro: o 'status quo', a oferta da CTG ou a 'Nova EDP' -- O Plano de Investimento e Otimização", conclui o fundo norte-americano, defendendo como "próximos passos fundamentais" uma "avaliação realista" da oferta chinesa que leva à sua retirada, uma reflexão dos acionistas sobre novos "caminhos futuros" e a implementação de um "plano ambicioso de investimento e otimização" do 'portfolio' da empresa.

Em 11 de maio passado, a CTG anunciou a intenção de lançar uma OPA voluntária sobre o capital da EDP, oferecendo uma contrapartida de 3,26 euros por cada ação, cujo pedido foi registado junto do regulador, sem alterações ao preço oferecido inicialmente.