Novas inscrições antissemitas foram descobertas em Paris

Novas inscrições antissemitas foram descobertas em Paris
Lusa

Novas inscrições antissemitas foram descobertas hoje em fachadas de edifícios e outras estruturas urbanas em Paris, após o Presidente francês, Emmanuel Macron, se ter pronunciado pela luta contra o "ódio" antijudaico.

De acordo com um funcionário da autarquia de Paris, Cedric Grünenwald, contactado pela AFP, "cerca de uma dezena" de inscrições antissemitas foram encontradas "em várias ruas do bairro de Plaisance", no sul da capital.

"Nós alertámos a esquadra da polícia" e outras autoridades, disse Grunenwald.

"Judeus sujos", "Fora" e uma suástica invertida estavam inscritas na porta de madeira de um prédio na rua d'Alésia, observou um jornalista da agência noticiosa AFP.

O gerente de uma cervejaria próxima disse à AFP que essas inscrições "não estavam lá" na noite de quarta-feira. A polícia esteve hoje no local e questionou a vizinhança, de acordo com o gerente do estabelecimento comercial.

Inscrições do mesmo tipo foram encontradas em frente de casas de banho públicas e no banco de um abrigo de autocarro nas proximidades, bem como na fachada de outro prédio.

Nas últimas semanas, várias inscrições antissemitas foram descobertas em Paris, incluindo em retratos de Simone Veil, uma figura europeia e sobrevivente do Holocausto, com desenhos de suásticas.

Em resposta ao apelo lançado por grupos políticos, religiosos e comunitários, milhares de franceses reuniram-se na terça-feira para protestar contra o ressurgimento do antissemitismo em França, manifestação esta que ocorreu no mesmo dia da profanação de um cemitério israelita no leste do país.

Um homem suspeito de proferir insultos antissemitas contra o intelectual francês Alain Finkielkraut foi colocado sob custódia policial na noite de terça-feira.

Os insultos aconteceram à margem de uma manifestação do movimento dos "coletes amarelos" no sábado, em Paris, quando os manifestantes se cruzaram com Finkielkraut na rua.

Emmanuel Macron anunciou na quarta-feira, no jantar anual do Conselho Representativo das Organizações Judaicas da França (CRIF), "novas linhas vermelhas" para lutar contra o "ódio" antissemita na Internet ou em escolas públicas.

O Presidente anunciou, em particular, a apresentação em maio de um projeto de lei destinado a refrear as manifestações racistas e antissemitas na Internet e "aumentar a pressão sobre os operadores".