Nova Zelândia/Ataque: Governo timorense manifesta pesar por tragédia em Christchurch

Nova Zelândia/Ataque: Governo timorense manifesta pesar por tragédia em Christchurch
Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros timorense expressou hoje pesar pela morte de pelo menos 40 pessoas em ataques a duas mesquitas na cidade neozelandesa de Christchurch, deplorando o ataque terrorista.

"Quero expressar toda a nossa simpatia com o povo da Nova Zelândia por esta tragédia", disse Dionísio Babo, em declarações à Lusa.

"Deploramos este acontecimento. A Nova Zelândia é conhecida como um país de paz, que tem consolidado a sua paz e estabilidade e tudo isto aconteceu inesperadamente", afirmou Babo.

Também reagindo ao ataque, o ex-Presidente timorense José Ramos-Horta disse estar "horrorizado".

"Como é que isto é possível. Na Nova Zelândia, um país extremamente aberto, pacífico, que não está envolvido em conflitos internacionais e que foi sempre um país tolerante, respeitador de todas as religiões, culturas e sociedades", disse.

Ramos-Horta disse que este é mais um exemplo "trágico" de terrorismo branco, como os casos que ocorreram nos Estados Unidos, no Reino Unido ou noutros países, e que deve motivar uma voz unida contra extremismos.

A chefe do Governo neozelandês, Jacinta Ardern, confirmou que pelo menos 40 pessoas morreram e 27 ficaram feridas na sequência dos ataques a duas mesquitas no centro de Christchurch.

A polícia deteve já quatro pessoas, incluindo o autor dos disparos -- um cidadão australiano que transmitiu a ação em direto para o Facebook, não sendo conhecida a identidade dos restantes detidos.

Jacinta Ardern, que classificou o ataque como terrorista, disse que 10 pessoas foram mortas na mesquita Linwood Masjid e 30 na mesquita de Al Noor, perto de Hagley Park.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, revelou que um dos quatro detidos após o ataque a duas mesquitas da Nova Zelândia é um cidadão australiano.

Um homem que se identificou como Brenton Tarrant, de 28 anos nascido na Austrália, reivindicou a responsabilidade pelos disparos e transmitiu em direto na Internet o momento do ataque.

Brenton Tarrant deixou um manifesto anti-imigrantes de 74 páginas, no qual procurou justificar as ações.

O comissário de polícia da Nova Zelândia, Mike Bush, adiantou que a polícia desativou uma série de engenhos explosivos improvisados encontrados num veículo após o tiroteio numa das mesquitas.

Os ataques, com início às 13:40 (00:40 em Lisboa), aconteceram nas mesquitas de Al Noor, em Hagley Park, e de Linwood Masjid.

Christchurch é a maior cidade da Ilha Sul da Nova Zelândia e a terceira maior cidade do país com cerca de 376.700 habitantes, localizada na costa leste da ilha e a norte da península de Banks. É a capital da região de Canterbury.