Militares portugueses na RCA vão proteger equipas de desarmamento da população - EMGFA

Militares portugueses na RCA vão proteger equipas de desarmamento da população - EMGFA
Lusa

O contingente militar português na missão da ONU na República Centro Africana terá como primeira missão garantir a proteção das equipas das Nações Unidas em operações de "desarmamento, desmobilização e reintegração", foi hoje anunciado.

Em comunicado, o Estado-Maior General das Forças Armadas adiantou hoje que as ações desarmamento naquele teatro de operações vão abranger "a grande maioria dos bairros da capital" da RCA, Bangui.

A missão das Nações Unidas (MINUSCA) que a população "entregue voluntariamente armas, munições, explosivos e outro tipo de armamento e, através destas ações, contribuírem para um incremento de segurança na região", refere o EMGFA.

A 4.ª FND, composta por 156 militares, na maioria paraquedistas, partiu para aquele teatro de operações na semana passada.

A República Centro-Africana caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-balaka. A MINUSCA está no país desde 2014.

O conflito na RCA, que tem o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.