Juncker despede-se dos discursos sobre o Estado da União

Juncker despede-se dos discursos sobre o Estado da União
Lusa

O Presidente da Comissão Europeia pronuncia hoje, perante o Parlamento Europeu (PE), em Estrasburgo, o seu último discurso sobre o "Estado da União", oito meses antes das eleições para escolher um novo executivo comunitário.

A oito meses das eleições europeias de maio de 2019, o PE vai debater hoje o estado da União Europeia com Jean-Claude Juncker, que deverá sublinhar o impacto das medidas propostas pelo executivo comunitário nas suas dez áreas prioritárias e revelar o que a Comissão pretende ainda alcançar no último "ano académico" do seu mandato.

Recusando encarar o seu quarto e último discurso sobre o "Estado da União" como "um testamento", o político luxemburguês fará um balanço dos últimos 12 meses e apresentará as diretrizes para os próximos, sendo expectável que as migrações, o tema que mais fissuras tem causado na harmonia dos 28, ocupem um lugar central no discurso.

Embora o mandato da atual Comissão Europeia só expire no final de outubro de 2019, Juncker já não deverá proferir o discurso do "Estado da União" em setembro do próximo ano, altura em que se estará a processar a transição do atual para o futuro executivo comunitário (tal como sucedeu em setembro de 2014, quando José Manuel Durão Barroso, ainda em funções, já não discursou, uma vez que Jean-Claude Juncker era já o presidente eleito, após a vitória do Partido Popular Europeu nas eleições europeias de maio desse ano).

Instituído em 2010, após a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, o primeiro discurso sobre o "Estado da União" Europeia foi proferido em Estrasburgo por Durão Barroso, um ano após a sua reeleição para um segundo mandato à frente da Comissão Europeia.

O discurso do "Estado da União" terá início às 9:00 locais (menos uma hora em Lisboa), seguindo-se um debate com os eurodeputados, no qual se espera que estes façam um balanço dos resultados da "Comissão Juncker" até à data e definam as prioridades a alcançar pelo bloco comunitário antes das eleições europeias, agendadas para maio de 2019, e da qual resultarão um novo Parlamento Europeu e um novo executivo comunitário.

Este será também o último discurso do "Estado da União" a 28, uma vez que o Reino Unido vai sair do bloco comunitário a 29 de março de 2019.