Itália autoriza desembarque de 450 migrantes

Itália autoriza desembarque de 450 migrantes
Lusa

A Itália autorizou hoje o desembarque de 450 migrantes que permaneciam a bordo de dois navios militares ao largo da Sicília, ilha no sul de Itália, e que serão repartidos por cinco países, incluindo Portugal.

O grupo de migrantes, que inclui menores, deve desembarcar no porto siciliano de Pozzallo, e será dividido por cinco países europeus que se disponibilizaram a receber, depois do pedido feito pelo Ministério do Interior de Itália.

Além de Portugal, os outros países que se disponibilizaram para acolher 50 migrantes cada, foram a Espanha, Alemanha, França e Malta.

O Governo português manifestou hoje a disponibilidade para receber 50 pessoas do grupo de 450 migrantes resgatados no sábado por navios italianos, numa iniciativa conjunta em nome da "solidariedade europeia".

"Num espírito de solidariedade europeia, Portugal, em conjunto com Espanha e França, anunciam a sua disponibilidade para receber, cada um dos respetivos países, 50 pessoas do grupo de 450 migrantes resgatados ontem no Mediterrâneo pelos navios italianos", refere um comunicado do Governo português

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, escreveu no sábado aos líderes dos 27 Estados da União Europeia, a pedir que tomassem a seu cargo parte destas pessoas e adiantou que o seu país aceitaria "uma parte" delas, segundo a agência noticiosa espanhola.

A nota do Governo de Lisboa realça que "esta disponibilidade está condicionada" a que este grupo de migrantes seja desembarcado em Itália e que este país "concorde também em acolher parte do grupo".

"Cada país reserva-se o direito de examinar, caso a caso, as pessoas que aceitará", refere ainda o comunicado.

Com este gesto, salienta o texto, "Portugal, Espanha e França testemunham, assim, o seu dever de solidariedade humanitária e o desejo comum de fornecer soluções europeias para a questão da migração e das tragédias humanas que se desenvolvem no Mediterrâneo".

Na madrugada de sábado 450 migrantes da Líbia, em duas embarcações, foram resgatados junto à ilha italiana de Lampedusa, no Mediterrâneo central, tendo sido transferidos para navios militares italianos.