Investimentos a Norte são "importantes para capacidade exportadora do país" - Governo

Investimentos a Norte são "importantes para capacidade exportadora do país" - Governo
Lusa

14 set (Lusa) - O Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse hoje que a região Norte é "a maior plataforma exportadora" nacional e que por isso a consistência dos investimentos é "muito importante para a capacidade exportadora do país".

"É uma das zonas mais dinâmicas do ponto de vista económico do país, é uma das nossas grandes, se não a nossa maior, plataforma exportadora. E, por isso, [a] consistência dos investimentos nos nossos portos, na ferrovia, nas ligações à Galiza, no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, (...) são certamente muito importantes para região, mas para a própria capacidade exportadora do país", afirmou.

Pedro Marques, que abriu o debate sobre a participação da região Norte no Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030, lembrou que "o país já pagou bastante caro pela incapacidade que teve, no passado e ao longo de décadas, de consensualizar os seus principais investimentos".

Para o governante, os avanços e recuos que aconteceram em investimentos estruturantes para o país, tem feito Portugal "pagar preços demasiado elevados, em algumas circunstâncias, o que é precisamente isto que o Governo quer evitar, nesta fase.

"É para mim evidente que há dimensões de coesão territorial que são bastante óbvias e que continuam a ser desafios na região Norte, como é o caso dos investimentos nos acessos às zonas empresariais, investimentos que aqui e ali são necessários, efetiva coesão territorial na perspetiva da mobilidade das populações", defendeu.

Segundo aquele responsável, "ainda há zonas do território que estão demasiado distantes dos eixos principais de mobilidade, mesmo depois da transmontana, mesmo depois do túnel do Marão, mesmo depois de um conjunto importante de investimentos que foram sendo feitos e que beneficiarão de algum investimento adicional".

Segundo o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, o Governo entendeu que esta fase de debate regional devia começar, por isso, na região Norte, percorrendo um caminho de auscultação da entidades regionais e locais e na procura de consenso mais alargado.

Pedro Marques lembrou que hoje, nesta iniciativa, o Governo não vai apresentar um o Programa Nacional de Investimentos, mas recolher contributos.

Depois desta fase, acrescenta, o documento será submetido ao Conselho Superior de Obras Públicas e posteriormente à Assembleia da República, o que deverá acontecer até outubro, revelou.

Segundo o governante, o objetivo, é recolher o maior número de contributos por forma a alcançar um consenso político mais alargado que fortaleça os argumentos do governo nas negociações com Bruxelas, mas sobretudo, que dê mais estabilidade na implantação do programa.

O Programa Nacional de Investimentos 2030 define os investimentos estratégicos que o país deverá alcançar na próxima década, estando articulado com os objetivos estratégicos definidos para o Portugal 2030, neste caso nos setores da Mobilidade e Transportes, Ambiente e Energia.

Abrange as infraestruturas de nível nacional localizadas em Portugal Continental com projetos ou programas com um investimento superior a 75 milhões de euros.