Há 17 mil palavras portuguesas traduzidas para Changana em Moçambique

Há 17 mil palavras portuguesas traduzidas para Changana em Moçambique
Lusa

Um total de 17 mil palavras portuguesas estão traduzidas para a língua mais falada na capital de Moçambique, o Changana, no novo dicionário de Bento Sitoe, linguista e docente universitário.

Além do muito recorrente "Khanimambu", que significa "obrigado", é possível construir inúmeras expressões, como "Ripelile va ka hina", que quer dizer, "Boa noite compatriotas", exemplifica o autor, em entrevista à Lusa.

O Changana é fruto de várias línguas Bantu, milenares, da África subsaariana, desde os Camarões até à Cidade do Cabo, na África do Sul.

Calcula-se que haja um universo de mais de três milhões de falantes da África Austral, abrangendo Moçambique, África do Sul (um dos idiomas oficiais), Suazilândia e Zimbabué.

O público-alvo do novo dicionário são docentes que trabalham na formação de professores das línguas moçambicanas, tutores e alunos do ensino bilingue, profissionais da comunicação social e tradução, refere Bento Sitoe.

E com a previsível "nova vaga de investimentos no país", sobretudo na área de gás e petróleo, "os instrumentos publicados podem ser importantes" para ajudar quem se debruça sobre o país.

Além do novo dicionário Português-Changana, Bento Sitoe é igualmente autor do dicionário Changana-Português, publicado pela Texto Editores em 2012, com mais de 15 mil entradas, uma reedição aumentada da versão publicada em 1996, com 12 mil entradas.

A ideia não é exclusiva do autor, visto existir um dicionário Inglês-Changana, publicado por outra editora, na África do Sul, "mas tem três mil entradas", acrescentou.

Para compilar os dicionários, Sitoe consultou falantes do idioma, de vários pontos onde é falado, para recolha de palavras.

O linguista refere que há uma falsa ideia de que o Changana não foi padronizado e por isso não pode ser legislado.

"Há anos, a Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, fez uma padronização de 19 idiomas e, a cada dez anos, faz uma revisão destes padrões. Existe uniformização, não falada, mas escrita, que é consensual", explicou.

O docente explica que uma das razões pelas quais as línguas locais sobrevivem é que têm muitos falantes em Moçambique e os moçambicanos têm um sentido de pertença "muito forte" e gostam do que é seu.

"O que acontece é que um falante de uma língua como o Ronga", falada no sul de Moçambique e similar ao Changana, "destaca-se, fala com vigor, deixando transparecer as diferenças com as demais".

"Chega-se a dizer: ou falas em Ronga ou não há conversa. É é esta valorização que faz com que as línguas locais sobrevivam", exemplifica.

No ano de 1978, Bento Sitoe tentou publicar uma novela, Zabelana, em Changana, mas quase que foi barrado devido ao entendimento das autoridades pós-independência da época.

Considerava-se tribalista publicar um livro numa língua local, contrariando a "unidade nacional".

Graças a José Luís Cabaço, então ministro da Informação, a obra foi publicada em Changana, mas só após o seu conteúdo ter sido verificado através de uma tradução para Português.

Passados 30 anos, os desafios são outros.

Com uma vaga de investimentos estrangeiros à vista, a terminologia e vocabulário de outras línguas - como o inglês - surge já aplicada a projetos em Moçambique em diversas publicações divulgadas na Internet.

Mas Bento Sitoe diz não temer pelas línguas locais - pelo contrário, apoia a entrada de mais idiomas no país para que façam parte da cultura moçambicana, como o Português.

"Queremos que o Português seja falado aqui e esteja bem enraizado. É um idioma que faz parte da cultura de Moçambique", conclui.