EUA impedem exportação de componentes para grupo de telecomunicações chinês ZTE

EUA impedem exportação de componentes para grupo de telecomunicações chinês ZTE
Lusa

As autoridades norte-americanas decidiram hoje pôr fim às exportações de componentes destinadas ao grupo chinês ZTE, devido a declarações fraudulentas num inquérito sobre a investigação ao embargo imposto ao Irão e à Coreia do Norte.

Os Estados Unidos já tinham aplicado em março de 2017 uma multa de 1,2 mil milhões de dólares ao grupo chinês das telecomunicações ZTE por ter violado o embargo aos dois países.

Neste caso, o grupo chinês assumiu, em 2016, a responsabilidade por ter adquirido equipamentos aos Estados Unidos e os ter reexportado para o Irão e a Coreia do Norte apesar das sanções impostas aos dois países devido aos seus programas militares e a violações dos direitos humanos.

Os investigadores do Departamento do Comércio descobriram, no entanto, que a empresa chinesa tinha feito falsas declarações quanto às medidas que deviam ter sido tomadas contra os dirigentes da empresa.

Segundo as autoridades dos Estados Unidos, as falsas declarações omitiram que os funcionários que participaram nesta transação ilegal receberam bónus.

"A ZTE enganou o Departamento do Comércio. Em vez de advertir as suas equipas, a empresa recompensou-as. Este comportamento deliberadamente nocivo não pode ser ignorado", afirmou o secretário do Comércio, Wilbur Ross, em comunicado.

A suspensão das exportações significa que a ZTE vai deixar de receber componentes para os integrar nos seus produtos.