Dostoievski na origem da peça "Confissões de um Coração Ardente" que hoje chega a palco

Dostoievski na origem da peça "Confissões de um Coração Ardente" que hoje chega a palco
Lusa

A peça "Confissões de um Coração Ardente", a partir de Fiódor Dostoievski, com encenação de Carla Maciel, estreia-se hoje, em Lisboa, no Centro Cultural de Belém (CCB).

A peça, explica a encenadora na apresentação da obra, parte da seleção e organização dos textos do autor russo, criando "uma teia dramatúrgica flexível em que cada personagem, movida pelo amor, expõe a sua condição humana".

"Privilegia-se a transversalidade do amor, que nos heróis dostoievskianos é o principal motor das ações e da trama de que são protagonistas", acrescenta Maciel.

Para a estreia da peça, uma coprodução do CCB e do Cine-Teatro Louletano, de Loulé, no Algarve, no pequeno auditório do CCB, está anunciada a presença da ministra da Cultura, Graça Fonseca.

O elenco é constituído por Albano Jerónimo, Gonçalo Waddington, Marco Paiva, Miguel Loureiro, Teresa Coutinho e Tónan Quito, sendo a cenografia de Maria Ribeiro e Nádia Henriques, o desenho de luz de Daniel Worm D'Assumpção, sonoplastia de Miguel Lima e registo audiovisual de Mário Melo Costa.

Segundo a encenadora, "o cruzamento" dos diferentes textos de Fiódor Dostoievski (1821-1881) "permite a possibilidade de um jogo de ligações entre os seus heróis, cujo objetivo será, acima de tudo, realçar os temas centrais do universo do autor: o amor, a procura da felicidade a todo o custo e a liberdade do indivíduo".

"Recorrendo - prossegue Carla Maciel -, a ambientes de grande subtileza, nos quais a tensão psicológica tem o lugar primordial no desenrolar da ação, o espetáculo explora, a partir de algumas das suas obras, a irracionalidade nos comportamentos dos heróis, as suas obsessões e os seus conflitos, traços indeléveis do realismo que caracteriza toda a obra de Dostoiévski".