Comissão de Utentes avança com protesto contra supressão de carreiras na Soflusa

Comissão de Utentes avança com protesto contra supressão de carreiras na Soflusa
Lusa

Barreiro, Setúbal, 15 mai 2019 (Lusa) -- A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Barreiro (CUSPAS) anunciou hoje que vai fazer na sexta-feira uma ação de protesto contra a situação na Soflusa, responsável pela ligação fluvial entre o Barreiro e Lisboa, que tem suprimido carreiras.

"No sentido de exigir mais respeito pelos utentes e por uma resolução urgente destes alegados constrangimentos, a Comissão de Utentes convoca uma tribuna/concentração de protesto a realizar na próxima sexta-feira, 17 de maio, entre as 17:00 e as 19:00, junto do terminal fluvial da Soflusa, na estação do Sul e Sueste em Lisboa", informou a comissão em comunicado.

A Soflusa anunciou na terça-feira não conseguir prever quando vai repor as ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa, que começaram a ser suprimidas desde sexta-feira devido à falta de mestres.

Em resposta por escrito a questões colocadas pela agência Lusa, a Soflusa esclareceu que, "dada a escassez de tripulantes habilitados a exercer a função de mestre, ainda que existam esforços da empresa e um diálogo permanente com a comissão de trabalhadores e sindicatos, não pode prever a reposição da normalidade operacional".

A Comissão de Utentes considera que a situação na Soflusa é de "completo caos com graves consequências para os utentes", salientando a necessidade de serem tomadas medidas de emergência.

"A CUSPAS responsabiliza o conselho de administração da Soflusa pelas eventuais consequências que decorram deste quadro de desrespeito pelos utentes. Esta situação, conforme as comissões de utentes têm vindo a alertar, decorre da total ausência de investimentos na renovação da frota e da não contratação de pessoal, sobretudo ao nível da navegação", acrescenta.

Frederico Pereira, do Sindicato da Marinha Mercante, afeto à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), afirmou à Lusa que os sindicatos estiveram hoje numa reunião com o secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, José Mendes, que anunciou a contratação de seis marinheiros.

"Na reunião, o que nos foi dito é que existe já um concurso interno para passar quatro marinheiros a mestres e que foi aberto um concurso para a contratação de seis marinheiros. Consideramos que estas contratações são insuficientes para enfrentar as necessidades", salientou Frederico Pereira.

O sindicalista alertou que a situação na empresa se tem vindo a agravar e que no dia de hoje aumentaram o número de carreiras suprimidas na ligação entre Barreiro e Lisboa.

"Um dos mestres adoeceu [na semana passada] durante o serviço e não existem tripulações para substituir", exemplificou, assinalando que "os mestres já estão a fazer muitas horas extraordinárias e não aguentam, alguns deles estão a recusar fazer horas".

Nesse sentido, "existe já um pré-aviso, a partir de 23 de maio, para uma greve dos mestres às horas extraordinárias", frisou.

A Soflusa é responsável por fazer a ligação entre o Barreiro e Lisboa, enquanto a Transtejo, que faz parte do mesmo grupo, assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão e Lisboa.