"Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior" -- Catarina Martins

"Cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior" -- Catarina Martins
Lusa

A coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou hoje que de "cada vez que se cede à chantagem da EDP, fica-se pior", lembrando que a empresa nem sequer está a pagar a contribuição extraordinária sobre o setor energético.

Questionada hoje pelos jornalistas sobre a notícia do semanário Expresso segundo a qual a EDP pagou apenas 0,7% de IRC (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas) em 2017, o que representa a taxa mais baixa entre as empresas cotadas na bolsa portuguesa, Catarina Martins garantiu que os bloquistas estão "muito atentos ao estatuto dos benefícios fiscais e a quem é que eles têm sido atribuídos".

"Para lá dos esclarecimentos que possamos pedir sobre o que foi a cobrança de impostos do ano passado, é bom lembrar que a EDP nem sequer a contribuição extraordinária sobre o setor energético está a pagar nesta altura e que o PS alterou um voto no Orçamento do Estado porque dizia que senão o fizesse teria mais pressão da EDP. Como está à vista cada vez que se cede à chantagem da EDP fica-se pior", criticou.

Já depois da publicação da notícia do Expresso, a elétrica liderada por António Mexia esclareceu que o semanário "confunde o reporte contabilístico refletido no relatório e contas com os valores efetivamente pagos em sede de IRC pela EDP, em Portugal".

"Os cerca de 10 milhões de euros relativos a 2017 que são referidos dizem respeito ao Grupo EDP, que tem atividade em todo o mundo, e beneficiam de um conjunto de eventos ocorridos fora de Portugal, nomeadamente a reforma fiscal nos EUA - equivalente a cerca de 44 milhões de euros - e a isenção de mais valias por venda de ativos em Espanha (cerca de 200 milhões de euros)", refere a elétrica.

Assim, adianta, "o IRC a ser pago em 2018 em Portugal, respeitante a 2017, em nada será impactado por estes eventos".

"O IRC pago em 2016, em Portugal, tinha sido de 333 milhões de euros e, em 2015, foi de 193 milhões de euros", acrescenta.