BdP piora previsões para desemprego até 2021 e antecipa aceleração de salários

BdP piora previsões para desemprego até 2021 e antecipa aceleração de salários
Lusa

(CORREÇÃO) Lisboa, 12 jun 2019 (Lusa) - O Banco de Portugal (BdP) reviu hoje em alta a sua previsão para a taxa de desemprego entre 2019 e 2021, antecipando também "alguma aceleração dos salários por trabalhador".

No Boletim Económico de junho, hoje divulgado, o BdP reviu em alta a sua previsão para a taxa de desemprego -- que se fixou nos 7% em 2018 -- antecipando que se fixe em 6,3% este ano, 0,2 pontos percentuais acima do previsto em março. (CORRIGE O MÊS DE PUBLICAÇÃO DO BOLETIM, QUE É JUNHO E NÃO MARÇO)

Para 2020, o banco central espera uma taxa de desemprego de 5,7% (5,5% estimados em março) e em 2021, o último ano da projeção, antecipa uma taxa de desemprego de 5,3% (face à anterior estimativa de 5,2%).

O BdP antecipa também a continuação dos aumentos dos salários. "A gradual redução dos recursos disponíveis no mercado de trabalho e o aumento da produtividade deverão contribuir para alguma aceleração dos salários por trabalhador ao longo do horizonte", indica a instituição liderada por Carlos Costa.

O banco central acrescenta que, para além da evolução do rendimento disponível, "o consumo privado deverá beneficiar, à semelhança do ocorrido nos últimos anos, de condições de financiamento favoráveis ao longo de todo o horizonte, em particular da manutenção das taxas de juro em níveis historicamente baixos".

O Banco de Portugal manteve hoje a sua previsão de crescimento económico para 2019, em 1,7%, mas desceu em uma décima a estimativa para 2020, antecipando uma recuperação do investimento com algum abrandamento até ao fim do período de projeção.