Governo chinês vai emitir títulos de dívida em Macau no valor de 255 ME

Governo chinês vai emitir títulos de dívida em Macau no valor de 255 ME
Lusa

Macau, China, 25 jun 2019 (Lusa) -- O Governo chinês vai emitir, no início de julho, títulos de dívida no valor de dois mil milhões de renmimbis (cerca de 255 milhões de euros) em Macau, anunciaram hoje as autoridades da região administrativa especial.

A medida constitui um "incentivo à construção do mercado de títulos de Macau", que tem procurado desenvolver atividades financeiras com características próprias, de acordo com um comunicado do Gabinete do Porta-voz do Governo.

"A emissão de títulos permite acelerar a construção das infraestruturas e uma base sólida para o futuro desenvolvimento do mercado de títulos de Macau", indicou na mesma nota.

Esta iniciativa é "um pequeno teste" e uma "alternativa às aplicações que não existem em Macau", disse à Lusa o economista Albano Martins, que aconselhou os investidores "a fazerem contas" devido à oscilação da moeda chinesa.

"Macau é um mercado de capitais excedentes, que têm alguma dificuldade em encontrar aplicações no mercado local, porque é um mercado pequeno", observou o economista, destacando que este "novo produto", apesar "de atraente", levanta algumas questões.

Para Albano Martins, a crescente internacionalização da moeda chinesa tem de ser acompanhada por "alguma estabilidade do valor" da moeda chinesa, pelo que o Governo chinês deve assegurar que, apesar das "questões conjunturais", não há "manipulações na taxa de câmbio".

O renminbi desvalorizou 8% em relação ao dólar norte-americano, no ano passado, quando Pequim e Washington estão a travar uma guerra comercial que tem provocado a imposição de tarifas aduaneiras a milhares de milhões de dólares em importações de produtos entre os dois países.

"A internacionalização faz-se com regras que são aceites por todas as partes e que são regras do negócio: investe-se em moedas cuja estabilidade é garantida", disse.

Se a China manipular a moeda para a tornar mais competitiva, "quando os investidores receberem a moeda de volta, vão receber um produto que vale menos", avisou.

Assim, em primeiro lugar, "as taxas têm de ser convidativas". "É um investimento que se faz em renminbis, logo, quem quiser investir vai ter de adquirir a moeda chinesa para fazer essa aplicação", sustentou.

O comunicado oficial acrescentou que a medida é de "grande importância" para orientar a emissão de obrigações de renminbi para Macau e reforçar a cooperação financeira entre a China continental e o território.

O Governo afirmou esperar que a iniciativa atraia mais instituições a emitir títulos em renminbis em Macau.