Duas listas rivais exigem demissão do primeiro-ministro iraquiano

Duas listas rivais exigem demissão do primeiro-ministro iraquiano
Lusa

As duas listas parlamentares mais votadas nas legislativas de maio no Iraque anunciaram hoje que exigem a demissão do primeiro-ministro, Haider al-Abadi, que acusam de fracasso na gestão da crise que se vive em Bassorá.

"Pedimos ao governo para se desculpar junto do povo e se demitir de imediato", declarou Hassan al-Aqouli, deputado e porta-voz da lista "Marcha pelas Reformas", do líder populista xiita Moqtada Sadr.

Ahmed al-Assadi, porta-voz da Aliança da Conquista, um bloco pró-Irão que reúne antigos combatentes 'antijihadistas', denunciou "o fracasso do governo a gerir a crise em Bassorá", uma cidade do sul do país, onde 12 manifestantes foram mortos e várias instituições incendiadas na semana passada.

Os dois responsáveis falavam após uma reunião no parlamento sobre a crise em Bassorá.

Durante a reunião, convocada a pedido de Moqtada Sadr, que até agora apoiou o governo, Abadi e vários dos seus ministros tentaram defender a gestão que fizeram dos acontecimentos.

As duas listas parlamentares indicaram que vão trabalhar juntas para formar um governo sem o atual primeiro-ministro.

Na sexta-feira, centenas de manifestantes incendiaram o consulado iraniano em Bassorá, num dia de novos protestos nesta cidade iraquiana.

O ataque contra a representação diplomática do Irão, com grande influência no Iraque e em particular na província de Bassorá, assinalou uma viragem nos protestos que ocorrem na região desde julho contra a corrupção dos políticos e a degradação dos serviços públicos, apesar das riquezas petrolíferas da região.