Assembleia de Alandroal aprova nova versão de orçamento municipal para este ano

Assembleia de Alandroal aprova nova versão de orçamento municipal para este ano
Lusa

Alandroal, Évora, 26 abr 2019 (Lusa) - A Assembleia Municipal de Alandroal, no distrito de Évora, aprovou uma segunda versão de orçamento da câmara para este ano, quase "seis meses" depois de a proposta inicial da gestão PS ter sido apresentada e, posteriormente, chumbada.

A nova proposta foi aprovada na mais recente reunião da assembleia municipal, realizada esta semana, graças à abstenção dos eleitos da CDU, do movimento "DITA - Alandroal é o nosso partido" e do PSD, indicaram hoje à agência Lusa fontes partidárias.

Em dezembro do ano passado, as três forças políticas da oposição, que têm maioria na assembleia municipal, tinham optado pelo voto contra.

"Passaram seis meses sob a proposta inicial de orçamento e a verdade é que acabámos por aprovar o mesmo orçamento que foi proposto em outubro", afirmou à Lusa o presidente do município, o socialista João Grilo.

O autarca sublinhou que a proposta de orçamento agora aprovada não sofreu alterações em relação à proposta inicial, com exceção de correções relacionadas com a execução dos meses que passaram desde o início do ano.

"Isto demonstra que a opção podia ter sido esta logo desde o início e que não era preciso termos perdido tanto tempo, mas ainda bem que já está aprovado", realçou.

João Nabais, vereador do "DITA - Alandroal é o nosso partido", disse à Lusa que os eleitos do seu movimento votaram inicialmente contra o orçamento por existirem "rubricas, diversos e outros com valores muito significativos que não estavam explicados".

"O presidente [do município] apresentou uma segunda versão do orçamento, que tem o mesmo valor", mas, desta vez, distribuiu um documento "a explicar o destino das verbas" que constam nas rubricas diversas e outros, referiu.

Também em declarações à Lusa, o presidente da Assembleia Municipal de Alandroal, Daniel Padilha, eleito pela CDU, indicou que os comunistas "deixaram passar" a proposta de orçamento "por causa da opção gestionária", porque "estava a limitar a progressão nas carreiras de alguns trabalhadores", e para "não limitar a atividade" do município.

João Grilo, que já tinha sido presidente da câmara entre 2009 e 2013, encabeçando um movimento independente, voltou a conquistar este município alentejano, nas autárquicas de 01 de outubro de 2017, desta vez a liderar a lista do PS.