Ataque armado no Irão provoca 19 vítimas mortais

Ataque armado no Irão provoca 19 vítimas mortais
Redação com Lusa

Não ficou claro se o ataque está relacionado com os protestos antigovernamentais no Irão e que estão a alastrar pelo país, depois da morte, sob custódia policial, de uma jovem de 22 anos.

Um ataque armado a uma esquadra da polícia numa cidade do sudeste do Irão matou 19 pessoas, incluindo três membros da Guarda da Revolução do Irão, anunciou este sábado a agência oficial iraniana IRNA.

Os elementos que realizam o ataque na sexta-feira esconderam entre os fiéis perto de uma mesquita na cidade de Zahedan e atacaram a esquadra da polícia mais próxima, segundo um relatório oficial divulgado.

O governador da província, Hossein Modaresi, citado pela agência IRNA, disse que 19 pessoas morreram e que 32 elementos da Guarda da Revolução do Irão, incluindo um paramilitar basiji, foram feridos nos confrontos.

Não ficou claro se o ataque está relacionado com os protestos antigovernamentais no Irão e que estão a alastrar pelo país, depois da morte, sob custódia policial, de uma jovem de 22 anos, assinala a Associeted Press (AP).

A província do Sistão - Baluchistão faz fronteira com o Afeganistão e o Paquistão, tendo já sido alvo de ataques anteriores de forças separatistas da etnia Baluchi, apesar de hoje a agência de notícias Tasnim não ter identificado o grupo envolvido no ataque.

No entanto, avançou que os mortos são Hamidreza Hashemi, um coronel da Guarda Revolucionária, Mohammad Amin Azarshokr, também membro da Guarda Revolucionário e Mohamad Amin Arefi, um basiji, isto é, um elemento das forças paramilitares que estão subordinadas aos Guardas da Revolução do Irão.

Nas últimas duas semanas, milhares de iranianos têm-se manifestado nas ruas, tendo havido mesmo confrontos e distúrbios no país, depois da morte de Mahsa Amini, uma curda de 22 anos, que foi presa pela polícia da moralidade, em Teerão, por uso "indevido" do véu islâmico, e que faleceu por ter sido espancada.