"O FC Porto está muito menos pressionante este ano e sem Otávio nota-se mais"

"O FC Porto está muito menos pressionante este ano e sem Otávio nota-se mais"
João H. Vieira (edição de vídeo)

Vítor Santos, João Ricardo Pateiro e Luís Freitas Lobo analisam a sexta jornada da Liga Bwin em mais um programa "Visão de Jogo" a não perder.

Confira algumas das frases fortes do programa:

"Eu acho que, se o Portimonense jogasse de outra maneira, tinha mais hipóteses de ganhar, mesmo perdendo na mesma. Surpreendeu-me a postura do Portimonense, demasiado defensivo".

"Trincão tem sido aconselhado por Rúben Amorim a rematar mais. Amorim quer aquele ataque móvel e, na frente, os jogadores têm que ter golo".

"O Sporting tem esta questão de ter o meio-campo a dois, que exige especialistas nos grandes jogos. Este jogo com o Portimonense, com todo o respeito pela equipa de Paulo Sérgio, que é enorme, dá para jogar com um meio-campo improvisado, quase sem médios".

"Acho que a questão do Paulinho é incontornável. É preciso ter um jogador de referência na frente de ataque, capaz de jogar e de potenciar o jogo destes jogadores: Trincão, Edwards, Pote e o próprio Rochinha. Acho que vai ter essa oportunidade".

--

"O Brugge não é uma equipa qualquer, é o campeão da Bélgica e vem confiante para o Dragão, mas não me passa pela cabeça qualquer resultado que não seja uma vitória do FC Porto".

"O FC Porto tem um problema conceptual e o Sérgio Conceição já tocou nisso: a equipa está muito menos pressionante este ano e sem Otávio nota-se mais".

"Mesmo uma equipa como o Chaves, que tem as limitações da classe média do nosso futebol, conseguiu criar muitos problemas ao FC Porto, na primeira parte teve três oportunidades de golo bastante claras".

"A necessidade que sente o Sérgio Conceição e o Vítor Baía de virem falar não é por causa do jogo de Madrid, é por causa dos jogos seguintes, com a interpretação que pode haver dos lances do Taremi"