"Horta? Mesmo que fossem dez milhões, nunca seria um negócio ruinoso para o Braga"

José Manuel Ribeiro e Luís Freitas Lobo, moderados por João Ricardo Pateiro, abordaram a atualidade nacional e internacional em mais um programa Visão de Jogo

Seleção Nacional:

"Fiquei com boa impressão com a utilidade dos jogos. As exibições não têm ponto de contacto. A competição é bonita, mas neste contexto de preparação para o Mundial. Estes jogos estão enquadrados nisso. A utilidade é boa. O único aspeto mais sensível é a questão dos centrais. Percebemos que Danilo cumpre, porque é um jogador inteligente e simplifica a função, mas não é um central do nível de Rúben Dias e de Pepe, que desafia as leis do tempo. Trata-se de uma posição em que não se pode falhar. Fernando Santos devia, sem medo, nos próximos dois, mexer no setor e ter já forma de perceber o que acontece."

"Este jogo contra a Suíça desconstrói a narrativa de que William Carvalho não tinha lugar na Seleção. O meio-campo utilizado contra a Suíça é o que faz mais sentido. A Suíça também se pôs a jeito, deu muito espaço, para bolas colocadas nas costas, e foi favorável ao tipo de jogo da Seleção.

Ronaldo no banco de suplentes contra a Espanha: "Ficou claro que foi uma vez sem exemplo e estava, de certeza, preparado para isso. Houve certamente uma conversa com o selecionador Fernando Santos. Não creio que a questão física de Ronaldo se aplique, porque não teve um ano muito esgotante no Manchester United."

Mudança de guarda-redes nos jogos com Espanha e Suíça

"Não percebi, sinceramente. Nem é normal haver avanços e recuos de guarda-redes nas seleções nacionais. Interpretei a decisão sobre o Diogo Costa como a escolha de um momento da transição. Rui Patrício dá perfeitamente garantias, mas este retrocesso confunde um pouco as coisas e cria insegurança em Diogo Costa, que tem a frieza como imagem de marca."

"Estes jogos estão a ser interpretados como preparação. Não se trata de preparar Rui Patrício, mas a cabeça dele, e do Diogo Costa. Há uma insatisfação clara no Rui Patrício por não jogar."

Interesse do Benfica em Ricardo Horta:

"A cotação de Ricardo Horta está na cabeça de António Salvador. Creio que o negócio vai acabar por ser feito. É justo para o jogador. A verba vai aproximar-se dos 16 milhões de euros, acrescenta-se um jogador do Benfica, e o negócio faz-se. O Braga já sugeriu a inclusão de jogadores. É uma forma de o Braga sair bem. Vai haver um momento que deve ser feita justiça pelo que o Horta fez no clube. Mesmo que fossem aceites dez milhões, nunca seria um negócio ruinoso para o Braga."

"Acredito que o Ricardo Horta queira ir para o Benfica na próxima época. O Braga pode fazer o negócio para ter o melhor rendimento em termos financeiros, mas há que ver o que o jogador quer. Se disser que ficaria no Braga, creio que o Braga poderia pagar os tais cinco milhões ao Málaga para o manter no clube."

Possibilidade de o FC Porto contratar Lincoln:

"Não há uma vaga para o Lincoln no plantel do FC Porto para já. O FC Porto tem alguns jogadores com as características dele. Já li treinadores a dizer que o Lincoln se adaptaria melhor à posição do Otávio, ou do Fábio Vieira, ou do Vitinha."

"Não creio que o Lincoln poderia fazer, no imediato, o que o Otávio faz. É um médio número oito diferente do que o Sérgio Conceição quer. É um jogador para meter numa caixa de ferramentas e ser trabalhado regularmente."

Ida de Jorge Jesus para o Fenerbahçe:

"Acho que ele vai ter dificuldades de comunicação. Não é o Brasil. Vai ter dificuldades de variada ordem. Temos exemplos do Toni e do Vítor Pereira para se perceber a dificuldade de trabalhar no futebol turco."

"Ir para o futebol turco não é um topo de carreira para ele, não faz sentido desportivamente. É um país e um futebol muito emocional. Pelo que disse, foi porque o queiram muito. Já estamos habituados a ouvir isso. A equipa tem muitos problemas, está longe do que ele quer."