Números redondos: sempre a eficácia a decidir

Números redondos: sempre a eficácia a decidir

Na jornada 31 da liga o título até pode ficar já decidido, se o Porto vencer em Tondela e o Benfica perder em Famalicão. E, tudo indica, mais uma vez será a eficácia no aproveitamento das ocasiões de golo a fazer a diferença.

1. Tondela - Porto (qui., 9 julho, 19.15)
Depois da goleada ao Belenenses SAD, o Porto pode até ser já campeão nesta jornada se o Benfica perder em Famalicão.

Mas para isso os portistas têm que vencer, antes, em Tondela, onde mora uma equipa ainda muito atrapalhada na luta pela permanência na I Divisão.

De repente, um Porto muito eficaz
Muito se tem discutido a qualidade de jogo deste Porto de Sérgio Conceição. Inegável é que o recente arranque para a provável conquista do título, resultou em grande medida de uma rutura total com os problemas de eficácia no aproveitamento das ocasiões de golo. Senão vejamos:

- Até à paragem do campeonato, o Porto apresentava uma média de 32% de concretização das oportunidades de golo (cerca de 1 golo a cada 3 ocasiões).

- Nos primeiros jogos do reatamento essa percentagem desceu para cerca de 10% (2 golos em 21 ocasiões, nos jogos com o Famalicão, Marítimo e na primeira metade da partida com o Boavista)

- Na segunda parte do encontro com os axadrezados e nos jogos com Paços de Ferreira e Belenenses SAD, o aproveitamento das oportunidades subiu para 77% (10 golos em 13 ocasiões claras).

Para este aumento da produtividade goleadora foi importante o "regresso" dos avançados portistas, principalmente de Marega, que marcou 3 golos nos últimos 3 jogos. Também Soares voltou a faturar, abrindo a goleada frente ao Belenenses SAD. Recorde-se que os atacantes azuis e brancos estiveram 6 jogos consecutivos sem marcar, sendo que Soares estava em branco desde a jornada 19.

Outra arma fundamental para o atual bom momento dos dragões passou pela reconquista da consistência defensiva: após sofrerem 2 golos em Famalicão no encontro da retoma, não concederam qualquer tento nos 5 jogos seguintes. Esta é a melhor série do Porto na prova neste particular, e pode dizer-se que surgiu numa altura muito importante, mesmo sem Marcano, um indiscutível das opções de Sérgio Conceição para o quarteto defensivo, até à paragem do campeonato.

Um Tondela aflito
Poucos esperariam que o Porto se deslocasse a Tondela com o seu anfitrião em situação tão complicada na tabela, uma vez que quando o campeonato parou os tondelenses estavam 9 pontos acima da linha de água. Agora, são apenas 3 os pontos de vantagem sobre o Portimonense e se os algarvios vencerem em Vila do Conde na partida que antecede exatamente o Tondela-Porto, a equipa de Portimão ultrapassa o Tondela na classificação (uma vez que tem vantagem no confronto direto).

A equipa treinada por Natxo Gonzalez tem um dos piores registos pós-paragem, com somente 5 pontos conquistados (3 dos quais perante o último e já relegado Desportivo das Aves). Pior só mesmo o Aves (1 ponto conquistado) e o outro grande aflito do momento, o V. Setúbal (2 pontos).

Ainda por cima, o Tondela, desde o início do campeonato, apresenta um desempenho muito fraco na condição de visitado: é a segunda pior equipa em casa, somente à frente do Aves, somando apenas 2 vitórias (embora 1 delas perante o Sporting) e um total de 11 pontos, em 15 partidas. Além disso, os tondelenses são o pior ataque caseiro, com 10 golos marcados.

Aliás, se apenas contassem os jogos fora, o Tondela estaria num confortável 9º lugar da classificação, com mais do dobro dos triunfos (5) dos que obteve nos jogos em casa.

Talvez a maior esperança dos tondelenses esteja no facto do Porto ter apresentado neste campeonato muitas dificuldades fora de casa: já perdeu um total de 12 pontos como visitante (2 derrotas e 3 empates), incluindo em casa do último, o Aves. Nos últimos 3 jogos fora, o Porto perdeu em Famalicão, empatou em Vila das Aves e venceu, com felicidade, em Paços de Ferreira, marcando apenas 2 golos nestas 3 partidas.

Olhando o histórico de confrontos entre as duas equipas em Tondela, apenas por uma vez o Porto não venceu: total de 3 vitórias e 1 empates (em 2016/17), sendo que o Tondela a jogar em casa nunca marcou um golo aos dragões.

PROBABILIDADES NR: 10% TONDELA/ 20% EMPATE / 70% PORTO

2. Famalicão - Benfica (qui., 9 julho, 21.30)
A estrutura do Benfica parece neste momento mais preocupada em contratar um treinador para a próxima época do que com a luta pelo título, mas com certeza que a equipa técnica - agora comandada por Nélson Veríssimo - e os jogadores não desistirão até ser matematicamente impossível ultrapassar o Porto.

Continuam os problemas de finalização
É um facto que nunca uma equipa recuperou uma desvantagem pontual tão considerável nas últimas 4 jornadas de uma luta pelo título, em mais de 85 anos de história da liga portuguesa, mas é igualmente uma verdade que este será provavelmente um dos mais atípicos campeonatos de sempre, desde logo pela ausência de público nas bancadas.

A equipa da Luz terá pelo menos recuperado alguma estabilidade emocional graças ao triunfo na receção ao Boavista, mesmo que tenha voltado a registar algo que pode ter sido decisivo na perda recente de tantos pontos pelos encarnados: a gritante falta de eficácia no aproveitamento das ocasiões de golos, exatamente o oposto do que aconteceu ao rival direto, Porto, nos últimos jogos.

Recorde-se que até 2 jogos antes da paragem, mesmo com as derrotas no Dragão e com o Braga na Luz, o Benfica apresentava uma excelente média de aproveitamento das oportunidades: 42% (50 golos em 120 ocasiões claras criadas). Uma média cerca de 10% superior à do Porto.

Mas nas últimas 8 jornadas (em que perdeu 14 pontos, com 2 vitórias, 4 empates e 2 derrotas), o Benfica somente marcou 12 golos, num total de 51 oportunidades, o que faz descer a média de aproveitamento para os 24%.

Ora essa mudança crucial de desempenho ofensivo parece ter minado a confiança dos jogadores encarnados, com Bruno Lage a demonstrar-se incapaz de dar a volta ao texto e à "cabeça" dos futebolistas.

A perda do equilíbrio defensivo
Simultaneamente, e mais uma vez ao contrário do Porto, nos últimos encontros o processo defensivo do Benfica colapsou: após sofrer 14 golos nas primeiras 25 jornadas do campeonato, as águias concederam 10 golos em 5 jogos (2 do Portimonense, 1 do Rio Ave, 4 do Santa Clara, 2 do Marítimo e 1 do Boavista).

Perderam assim o estatuto de melhor defesa do campeonato e enquanto o Porto se manteve nos 18 golos sofridos desde a jornada 26 até ao presente, o Benfica passou de 14 golos concedidos para 24.

A visita à equipa-revelação
Com 6 pontos de atraso (que na prática são 7, dada a vantagem portista no confronto direto), o Benfica sabe que até pode perder o campeonato nesta próxima quinta-feira.

Por isso o jogo em Famalicão é, também, uma questão de honra para o plantel do Benfica. Convém ainda recordar que os encarnados empataram já esta temporada em Famalicão para a Taça de Portugal, o que lhes valeu a passagem à final da competição (dada a suada vitória por 3-2 na Luz, na primeira mão das meias-finais).

Igualmente de destacar é o facto de na cidade minhota terem já caído na presente temporada Sporting (1-3) e Porto (1-2), o que contribui para que o Famalicão seja, claramente, a grande revelação da temporada - ainda para mais depois de estar 25 anos afastada da I Divisão. Segue na 5ª posição da geral e está completamente envolvido na luta por um lugar europeu.

A equipa treinada por João Pedro Sousa chegou a ser líder do campeonato até à 8ª jornada, e apesar de alguma irregularidade de resultados, continua a ser vista como uma das que pratica um futebol mais atrativo. Talvez por isso, é um dos conjuntos que marca mais golos (45), mas igualmente um das que mais sofre (44), sendo que neste último aspeto só fica à frente do Belenenses SAD (50 golos sofridos) e Aves (59).

O Fama tem conseguido excelentes resultados em casa, como já vimos, mas falta-lhe alguma estabilidade como anfitrião (derrotas com Portimonense, Tondela, V. Guimarães (por 0-7) e Santa Clara), sendo que desde o reatamento apenas perdeu um jogo e foi exatamente em Famalicão (com o Portimonense). Aliás, os famalicenses têm a segunda pior defesa caseira, com 23 tentos consentidos.

Para o Benfica, todos os cuidados serão poucos perante o 5º jogador mais valioso do campeonato, Fábio Martins, que tem neste momento 10 golos marcados e 5 assistências, o que corresponde à participação direta em 33% dos golos do Fama.

Mas, claro, do outro lado estarão os dois mais valiosos da prova: Pizzi, com 16 golos e 12 assistências (influência decisiva em 45% dos tentos do Benfica) e Carlos Vinicius, com 17 tentos e 5 passes para golo.

PROBABILIDADES NR: 15% FAMALICÃO / 20% EMPATE / 65% BENFICA

3. Sporting - Santa Clara (sex., 10 julho, 19.15)
O empate em Moreira de Cónegos serviu para acalmar um pouco alguma euforia dos adeptos do Sporting quanto ao momento da equipa de Rúben Amorim. Os leões continuam, no entanto, a ser a equipa com mais pontos somados (14) desde a retoma do campeonato e o treinador leonino mantém-se sem perder na sua passagem pela liga principal.

Sinal amarelo no Minho
Já em Guimarães (2-2), na jornada do regresso do campeonato, o Sporting não passara. Voltou agora a acontecer em casa do Moreirense (0-0), complicando as contas dos leões na luta pelo terceiro lugar, com outra equipa minhota, o Braga (que já foi de Amorim, esta temporada).

Recorde-se que há uma grande diferença entre ser terceiro ou quarto classificado, uma vez que quem ficar à frente entra diretamente na fase de grupos da Liga Europa enquanto o quarto tem que passar duas eliminatórias para atingir a dita fase de grupos.

Nesta altura o Sporting possui 3 pontos de avanço para o Braga (com vantagem dos minhotos no confronto direto, em caso de igualdade pontual final), mas a equipa de Alvalade ainda tem que visitar o Dragão e a Luz (na última jornada), no que resta de campeonato, sendo que o Braga recebe o Porto (também na derradeira ronda).

Apesar dos bons resultados conseguidos até agora pelos leões pós-retoma, é verdade que perante adversários colocados na parte superior da classificação da liga o Sporting de Amorim ainda não venceu, e a equipa continua a apresentar pouco volume de jogo ofensivo, sendo que nesta partida de Moreira de Cónegos, realizou apenas 2 remates enquadrados (contra nenhum dos anfitriões).

Apesar disso, Amorim continua a aproximar-se do incrível recorde de Bruno Lage no que diz respeito a jogos consecutivos sem perder no campeonato como treinador estreante. Faltam-lhe somente 5 para igualar Lage (21). No entanto, há as tais visitas ao Dragão e à Luz podem complicar as contas de Amorim.

Amealhar em Alvalade
Tendo em conta o calendário que se segue, torna-se fundamental para o Sporting amealhar os 3 pontos na receção ao Santa Clara, nesta sexta-feira, podendo tirar partido da difícil deslocação do Braga a Paços de Ferreira (no mesmo dia, mas mais tarde, às 21.30).

Com Amorim, o Sporting venceu os 4 jogos realizados em Alvalade e vai querer manter essa senda, perante um Santa Clara sempre perigoso a jogar fora (o Benfica que o diga). Os insulares têm um bom registo forasteiro (com 5 vitórias e 20 pontos conquistados) superior ao caseiro (18 pontos), e são das equipas que menos golos sofre fora de casa (17).

Note-se que desde o reatamento da liga, o Santa Clara tem feito resultados muito positivos perante as melhores equipas (triunfos sobre o Braga e o Benfica), mas não venceu qualquer outro encontro, somando mesmo 2 derrotas nos últimos 2 jogos (0-1 no Bessa e 0-1 com o Marítimo na Cidade do Futebol, sua atual "casa").

No confronto histórico, o melhor que o Santa Clara conseguiu até hoje em Alvalade foi um empate (em 2001/02, época de título leonino), perdendo os outros 3 encontros aí disputados.

PROBABILIDADES NR: 70% SPORTING / 15% EMPATE / 15% SANTA CLARA