Estão escolhidos os melhores dos nossos 35 anos

Estão escolhidos os melhores dos nossos 35 anos
João Araújo

A votação inserida no 35.º aniversário de O JOGO deixou dez finalistas e um retrato de diversidade desportiva e geográfica. Colégio de Gaia (andebol), Centro de Treino Municipal de Vila Pouca de Aguiar e Escola do Movimento são os vencedores.

Quais os melhores projetos desportivos nascidos em Portugal nos últimos 35 anos, os mesmos que tem de vida o nosso jornal e que hoje celebramos, foi a curiosidade que quisemos ver satisfeita e, para isso, submetemos à opinião do público.

Foi aberto um período de candidaturas e depois, ao cabo de mais de 33 mil votos e duas semanas - o tempo que esteve aberta a eleição no nosso site -, a escolha popular ditou dez finalistas de entre os 39 clubes candidatos e que preenchiam os requisitos do regulamento; estes foram posteriormente submetidos a outra votação, de um júri composto pelos presidentes das seis maiores modalidades coletivas do nosso país, e daí saíram os três vencedores que são destacados: Colégio de Gaia, CTM Vila Pouca de Aguiar e Escola do Movimento.

Andebol, basquetebol e atletismo são as modalidades nucleares destes três clubes, sendo de destacar, além do facto de nenhum ser de futebol, a diversidade. E esta ganha ainda mais força ao alargar a análise aos dez finalistas, onde, aí sim, surge o futebol, tal como o futsal. E onde se revelam dois outros dados importantes: por um lado, a variedade geográfica dos dez finalistas - de Trás-os-Montes à Grande Lisboa, passando pelo Douro, Minho e Beira Interior - e, por outro, a vocação formativa, princípio comum a todos estes clubes.

Esta eleição, no fundo, traça-nos um retrato desportivo do país nas últimas três décadas e meia, com a crescente preocupação de associar a prática desportiva ao rendimento escolar das crianças e jovens, aos quais se tenta proporcionar - do interior aos grandes centros urbanos - uma oferta desportiva o mais completa possível. E, também por isso, os parabéns são a dividir por muitos!

Ciclismo, ginástica, natação, desporto adaptado, hóquei em patins, voleibol, ténis, judo, râguebi, padel e canoagem são as restantes modalidades que tiveram clubes a aderir a esta nossa iniciativa e cujos símbolos surgem aqui ao lado.

De nomes bem conhecidos do grande público a outros menos famosos, de desportos bastantes implantados a outros que, entre nós, ainda pouco mais fazem do que gatinhar, foi grande a vontade dos candidatos de dar a conhecer os seus projetos e, assim, valorizá-los e a todos quantos deles usufruem, seja como praticantes ou espectadores.

Um ponto separou Colégio de Gaia e Centro de Treino Municipal de Vila Pouca de Aguiar na votação final do júri. O clube gaiense obteve 45 votos, contra 44 dos transmontanos. A Escola do Movimento ficou um pouco atrás deste duo, com 36 pontos.

Cinco pontos totais que cada uma das seis federações que constituíram o júri (andebol, atletismo, basquetebol, futebol, patinagem e voleibol) teve para distribuir pelos dez finalistas. Aquele que cada uma considerou o melhor projeto recebeu dez pontos e assim sucessivamente até um.

Foram 55 os pontos que cada uma das seis federações que constituíram o júri (andebol, atletismo, basquetebol, futebol, patinagem e voleibol) tiveram para distribuir pelos dez finalistas. Aquele que cada uma considerou o melhor projeto recebeu dez pontos e assim sucessivamente até um.

COLÉGIO DE GAIA/ANDEBOL
SUCESSO EM MÃOS FEMININAS

Como o nome indica, o Colégio de Gaia dedica-se ao andebol, mas com uma particularidade: os cerca de 95 atletas do clube são todos do sexo feminino. Fundado em outubro de 1987, com o grande contributo de Jorge Tormenta, figura histórica dos gaienses, o Colégio de Gaia é uma das equipas com maior tradição no andebol feminino português.

Está dotado de todos os escalões de formação, desde os minis aos seniores, é a equipa mais antiga da I Divisão e conseguiu dar um passo raro no desporto nacional ao conseguir que uma escola ingressasse no desporto federado. Não só o conseguiu como tem alcançado inúmeros títulos: em seniores, tem três campeonatos da I Divisão, quatro Taças de Portugal, três Supertaças e participações recorrentes nas competições europeias, nas quais soma 27 presenças. Na formação, conta com múltiplos títulos nacionais de juniores, juvenis, iniciados e infantis.

Da incubadora do Colégio de Gaia saíram atletas de nomeada, como Cândida Mota ou Ana Seabra, e o clube não pensa exclusivamente na competição, já que organiza vários eventos ao longo do ano. O Colégio de Gaia é um dos projetos desportivos mais credenciados de Gaia, tendo sido considerado o clube do ano na Gala do Desporto da autarquia em 1998; a Escola do Desporto Escolar em 2004, galardão atribuído pelo Ministério da Educação; a Associação do Ano, em 2007, para a Associação de Coletividades de Gaia; o Clube de Recreio do Ano, em 2008, na Gala da Confederação do Desporto; e recebeu uma medalha de mérito desportivo - classe ouro, em 2009, da câmara de Gaia, e uma medalha de mérito em 2018, dada pela Junta de Freguesia de Mafamude e Vilar Paraíso.

CENTRO DE TREINO MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR
DESPORTO PARA TODOS NO INTERIOR

Nascido de uma conjugação de vontades, depois de a Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar ter aprovado um projeto da autoria de Alfredo Brigas, treinador de basquetebol, o Centro de Treino Municipal de Vila Pouca de Aguiar (CTM) foi fundado em 14 de outubro de 1993 com o intuito de potenciar o desporto naquela localidade transmontana. Inicialmente, o clube dedicava-se em exclusivo ao basquetebol, mas mais tarde chegaram o atletismo e o ciclismo, em termos federados.

A primeira iniciativa destacada do CTM deu-se por alturas da inauguração do pavilhão municipal, um mês após a sua fundação, quando a presença da equipa sénior de basquetebol do FC Porto contribuiu para uma jornada de captação de jovens em Vila Pouca de Aguiar.

Desportivamente, o clube atingiu o período dourado entre 2001 e 2003, quando conquistou a Taça Nacional de cadetes (2001) e a Taça Nacional de juniores (2003) em femininos.

A formação de basquetebolistas, masculinos e femininos, tem sido o principal foco de atividade do clube, que também organiza campos de férias e tem dado grande impulso ao desporto de lazer na região, nomeadamente nas modalidades de ginástica aeróbica, natação, musculação e ténis de mesa. Atualmente, o CTM conta com 220 atletas.

Paralelamente a estas atividades de desporto para todos, o CTM tem organizado eventos de BTT, trail-running e caminhada, com impacto notório na comunidade - em 2019, estas atividades atraíram mais de mil pessoas.

ESCOLA DO MOVIMENTO
FORMAÇÃO, TALENTOS E TÍTULOS

A Escola do Movimento foi oficialmente fundada em 23 de junho de 2005, em substituição do Centro de Desporto da Universidade do Porto, e tornou-se no maior clube de atletismo da Invicta, beneficiando da extinção da secção no FC Porto. O clube tem atualmente 93 atletas, rapazes e raparigas, que se dividem desde os benjamins aos veteranos.

A sinergia com a Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP) é uma das principais características da Escola do Movimento, que não só treina na pista deste polo universitário como dois dos seus treinadores são professores na FADEUP. Por outro lado, os treinadores também encontram no clube uma porta de entrada para poderem lecionar na universidade.

Perita em trabalhar a técnica e formadora de velocistas, saltadores e lançadores, a Escola do Movimento já foi campeã coletiva na II Divisão Masculina e III Divisão Feminina e tem diversos títulos regionais absolutos em juniores e juvenis. No panorama individual, os portuenses estimam ter entre 15 e 20 títulos e foi da Escola de Movimento que saiu Carlos Nascimento, o melhor velocista português da atualidade, que agora representa o Sporting.

Além disso, a Escola conta com dois atletas paralímpicos e três atletas internacionais de juvenis e juniores. Nos paralímpicos, Hemilton Costa, do salto em comprimento, já garantiu a presença nos Jogos Olímpicos de Tóquio de 2020, ao passo que Guilherme Almeida, decatlonista e atleta completo, é uma esperança olímpica para 2024.

Agradecimento

O JOGO agradece a empenhada colaboração dos presidentes Miguel Laranjeiro (federação de Andebol) Jorge Vieira (Atletismo), Manuel Fernandes (Basquetebol), Fernando Gomes (Futebol), Luís Sénica (Patinagem) e do vice-presidente Vicente Araújo (Voleibol), que aceitaram compor o júri responsável pela eleição das três melhores candidaturas, depois de definido o lote inicial de dez por votação online.