Treinos e provas de escalões de formação suspensos na ilha de São Miguel

Treinos e provas de escalões de formação suspensos na ilha de São Miguel
Lusa

A ilha de São Miguel concentra 185 dos 186 casos ativos de infeção pelo novo ​​​​​​​coronavírus que provoca a doença covid-19 existentes atualmente nos Açores.

O Governo Regional dos Açores decidiu suspender os treinos e provas dos escalões de formação na ilha de São Miguel e recomendou o adiamento de provas desportivas que impliquem deslocações de ou para aquela ilha.

"Foi determinada a suspensão dos treinos e provas desportivas em escalões de formação, exatamente com o mesmo critério. São jovens cujo risco de contaminação é maior atendendo à estirpe inglesa", adiantou hoje o secretário regional da Saúde e Desporto dos Açores, Clélio Meneses.

O governante falava, em Angra do Heroísmo, na conferência de imprensa de atualização das medidas de contenção da pandemia de covid-19, que vigoram a partir das 00:00 de sábado.

A ilha de São Miguel concentra 185 dos 186 casos ativos de infeção pelo novo coronavírus que provoca a doença covid-19 existentes atualmente nos Açores.

Dois dos seis concelhos da ilha (Nordeste e Vila Franca do Campo) estão em alto risco de transmissão, o que fez elevar os restantes quatro para médio risco.

Os concelhos das restantes oito ilhas dos Açores têm muito baixo risco de transmissão e apenas Santa Maria tem um caso ativo.

Segundo o executivo açoriano, vai manter-se a obrigatoriedade de realização de testes de despiste à saída de São Miguel para outras ilhas, mas é recomendado também que se evitem deslocações.

"É recomendado o adiamento de provas desportivas que impliquem deslocações de e para São Miguel neste próximo fim de semana e todo o tipo de eventos que impliquem ajuntamentos, quer sejam privados ou públicos", avançou o secretário regional.

O executivo açoriano decidiu ainda manter as escolas em ensino à distância e encerrar creches e ateliês de tempos livres em toda a ilha.

Segundo o presidente da Comissão de Acompanhamento da Luta Contra a Pandemia nos Açores, Gustavo Tato Borges, o encerramento das escolas na ilha de São Miguel, a uma semana das férias da Páscoa, permitiu reduzir a percentagem de infetados nas faixas etárias mais jovens de 30% do total de casos para 12%.

"Não é que a escola seja um problema, mas é nestes locais que convivem mais e fora do ambiente da aula convivem mais sem máscara e com mais contactos próximos", explicou, acrescentando que se as escolas não tivessem fechado "este número total de casos teria sido ainda maior".

O presidente da comissão, que é médico especialista em saúde pública, admitiu que já existe transmissão comunitária da estirpe inglesa do novo coronavírus na ilha de São Miguel.

"Tendo em conta o número de casos a que vamos assistindo, a dificuldade que está a ser comprovar a ligação epidemiológica entre todos a um caso conhecido, a uma viagem ou a uma zona de alta transmissão, temos de anunciar a existência de transmissão comunitária da nova variante", afirmou.

Gustavo Tato Borges apelou, por isso, à população para que não descure os sintomas e ligue para a Linha Saúde Açores.

"Temos pessoas que só começaram a relatar sintomas ao fim de cinco, seis, sete dias. Algumas das quais foram trabalhar, mesmo com sintomas. Ao fim de sete dias, é muito tempo de contacto para a nova variante. Enquanto que com a variante normal sete dias daria cinco, seis, sete contactos de alto risco positivos, nesta variante do Reino Unido dá um valor muito maior e já assistimos a pessoas infetadas na segunda linha de contactos", salientou.

O presidente da comissão de acompanhamento alertou ainda para a necessidade de cumprimento das regras de prevenção da propagação da pandemia, mesmo nos concelhos com menor risco de transmissão do vírus.

"Temos relatos de festas de aniversário com 24 pessoas, temos relatos de churrascos entre amigos feitos ao ar livre, temos relatos de festas de comunhões, casamentos, sem respeitar todas as regras e limitações e isso tudo motivou um grande contacto entre as populações e este aumento", apontou.

O secretário regional da Saúde disse também que será lançada "uma nova campanha de sensibilização e aconselhamento para comportamentos adequados durante a pandemia" e que foram determinadas alterações na Linha de Saúde Açores.

Desde o início da pandemia foram diagnosticados nos Açores 4.324 casos de infeção pelo novo coronavírus, tendo ocorrido 4.000 recuperações e 30 óbitos. Saíram do arquipélago sem terem sido dadas como curadas 67 pessoas e 41 apresentaram comprovativo de cura anterior.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.890.054 mortos no mundo, resultantes de mais de 133 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.899 pessoas dos 825.633 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.