Presidente admite estado de emergência se houver "brutal agravamento" dos números

Presidente admite estado de emergência se houver "brutal agravamento" dos números
Redação

Marcelo Rebelo de Sousa também considera a possibilidade do recolhimento obrigatório

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu hoje a possibilidade de voltar a declarar o estado de emergência e o recolher obrigatório se houver "um agravamento brutal da situação", referindo-se à escalada do número de infetados com covid-19 nos últimos dias.

Em Aljezur, Algarve, à margem de uma visita de caráter económico, o Chefe de Estado resumiu: "Esperamos que não aconteça [o agravamento] e isso está muito nas mãos das pessoas. Tudo o que tiver de ser decidido é decidido e há graus progressivos de intervenção".

"Se o número de mortos disparar, aí temos um problema grave", afirmou, reagindo a questões que lhe colocavam sobre o estado de emergência e o recolher obrigatório em determinadas zonas ou regiões. Lembrando que em Lisboa chegou a haver um confinamento total, acrescntou: "Ninguém quer essas formas radicais. Para isso, é preciso que as pessoas façam um grande esforço".