Duas empresas esperam autorização para vacina até final de novembro

Duas empresas esperam autorização para vacina até final de novembro
Redação com Lusa

Pfizer e Moderna são duas empresas norte-americanas.

As empresas norte-americanas Pfizer e Moderna esperam obter autorização para lançarem as suas vacinas contra a covid-19 até final de novembro nos Estados Unidos, avançou esta sexta-feira a agência AFP. Caso atinjam este objetivo, significará um recorde no desenvolvimento de vacinas.

O eventual surgimento de vacinas contra a covid-19 antes de 2021 não será, no entanto, suficiente para conter a pandemia, que continua a atingir os Estados Unidos em grande escala.

O número oficial de infeções nos EUA ultrapassou esta sexta-feira os oito milhões, um número considerado aquém da realidade, já que estudos de anticorpos revelam que cerca de 10% da população daquele país já foi infetada, o que corresponde a cerca de 30 milhões.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, esperava por uma vacina ainda antes das eleições presidenciais em 3 de novembro, mas a indústria farmacêutica concordou em esperar mais algumas semanas, a pedido das autoridades de saúde, para detetar possíveis efeitos secundários graves entre as dezenas de milhares de participantes em ensaios clínicos.

O CEO da Pfizer, que é sócia da empresa alemã BioNTech, Albert Bourla, anunciou que aguarda uma prova de eficácia até o final de outubro, mas que espera até à terceira semana de novembro para entregar o processo na agência norte-americana do medicamento (FDA, em inglês) a solicitar uma autorização de emergência, "assumindo que os dados sejam positivos".

Já a empresa de biotecnologia Moderna aponta baterias para 25 de novembro.

Falta saber quanto tempo os especialistas da FDA irão levar para estudar todos os dados e dar, ou não, luz verde à sua utilização.

O Governo já se prepara para a enorme logística que será necessária, com o objetivo de iniciar a distribuição das primeiras doses em até 24 horas a partir de qualquer autorização.

Funcionários do programa governamental Warp Speed anunciaram hoje uma parceria com as gigantes redes de farmácias CVS e Walgreens para administrar as vacinas em 50 mil lares de idosos em todo o país.

Para o diretor do Instituto de Doenças Infeciosas, Anthony Fauci, os norte-americanos não devem esperar um retorno imediato da "normalidade" e lembrou que tudo vai depender da eficácia das vacinas e da sua aceitação pela população.

"Podemos não ser capazes de encontrar cinemas lotados ou estádios cheios de espectadores durante meses e meses em 2021, se não mais tarde", sublinhou hoje, durante uma entrevista à Universidade Johns Hopkins.