Eliseu: Sporting e FC Porto erram

José Manuel Ribeiro

Tópicos

Castigar o lateral seria pôr os advogados e o perverso CD a jogar o campeonato. É mesmo isso que querem?

Passada uma semana sobre o arquivamento do caso Eliseu pelo Conselho de Disciplina, é o momento de dizer o óbvio ululante, como lhe chamava Nélson Rodrigues: se o CD fosse tão favorável ao Benfica como Sporting e FC Porto defendem, a última coisa que estes dois desejariam era que Eliseu tivesse sido castigado pelo pisão em Diogo Viana. Se José Manuel Meirim transigisse na regra de não julgar ações já analisadas pelos árbitros, condenando o lateral, os jogos passariam a ser uma torrente de processos em potência, à disposição dos departamentos jurídicos dos clubes, a começar pelo mais calculista de todos, que é o do Benfica. Sporting e FC Porto queriam mesmo estender ao pérfido Conselho de Disciplina (dizem eles) dúzias de possibilidades de favorecer o Benfica todas as jornadas? O CD é um inimigo desnecessário e muito forçado; uma ilusão de ótica que não ajuda ninguém. Cada vez que Sporting ou FC Porto cedem à demagogia, analisando superficial ou maliciosamente uma polémica, enfraquecem as denúncias dos emails e a verosimilhança do submundo que Francisco J. Marques tem vindo a revelar. Cada vez que seguem uma linha torta aproximam-se dos comportamentos que denunciam. O caso Eliseu é pelouro do Conselho de Arbitragem: os castigados devem ser os árbitros, agora com mais justificação moral ainda, porque se acabou a conversa de que no sofá é fácil analisar os lances e também porque, justa ou injustamente, a sombra dos emails existe. Não lhes cabe o direito de empinar o nariz e fingir que não.