Red Bull Air Race está a chegar ao Porto e fomos experimentar um voo acrobático

Red Bull Air Race está a chegar ao Porto e fomos experimentar um voo acrobático
Rodrigo Cortez

Tópicos

Comandante da TAP a tempo inteiro e piloto de acrobacias nas horas vagas, Luís Garção mostrou um pouco do que é voar num avião parecido com os que estarão na Red Bull Air Race, no Porto

Comandante da TAP a tempo inteiro e piloto de acrobacias nas horas vagas, Luís Garção garante que, no ar, o perigo é bem menor do que na estrada. "Eu diria que, se forem respeitadas as limitações do piloto e do avião, o risco é zero. Eu faço isto há 20 anos e nem uma afta. Zero! Tenho medo é de ir para casa de carro", comenta, pouco antes de conduzir a reportagem de O JOGO num voo que incluiu algumas das diversas acrobacias que se podem fazer.

"Este avião faz tunôs (rodar sobre o eixo longitudinal), loopings, manobras verticais - até parar, rodar e depois descer - também faz descidas verticais, voo invertido ou faca. O avião basicamente consegue voar em todos os eixos e em qualquer atitude. Vai de cabeça para baixo, de lado, direito. Estes aviões acrobáticos permitem todo o tipo de manobras", explica Garção, igualmente membro da organização da etapa portuguesa da Red Bull Air Race, a disputar no Porto nos dias 2 e 3 de setembro.

"Esperamos 700 mil pessoas este ano", perspetivou depois, reforçando também a importância do número quando comparado com outro tipo de eventos em Portugal: "Em termos de público, não há nenhum outro evento que tenha tanta gente no nosso país."

Já em relação ao processo de desenvolvimento da corrida, explica: "Está um avião no circuito de cada vez, o circuito é pré-determinado e tem regras em que se tem de passar nos postes insufláveis em determinada altitude e fazer uma volta de inversão para fazer depois o circuito ao contrário. O objetivo é fazer o circuito limpo, sem penalizações, tem que se passar nos pórticos rigorosamente a direito e fazer o circuito no menor tempo possível. Cada piloto tem de descobrir a forma de fazer o circuito com o mínimo possível de resistência ao avanço causando resistência. Os motores têm todos a mesma potência, daí que interesse conseguir fazer o circuito induzindo o mínimo de resistência no avião e no menor tempo possível."

Comentários